BACK UP DO ARMAZÉM!


ARQUIVO DE SHOWS (MEMÓRIAS)

CHUCK BERRY – OLYMPIA – SP (1994 ou 1995)

 

 

 

Não me recordo bem se era 1994 ou 1995 quando Chuck Berry fez uma memorável apresentação na antiga casa de shows Olympia, em São Paulo. Nesse período eu costumava ir sozinho a alguns shows e me recordo que nesse, especificamente, fiz algo que não era de minha rotina: locomover-me até o local do espetáculo sem ter comprado ingresso!

Devido a tal fato fui para o Olympia com certa antecedência, na esperança de conseguir comprar ingresso antes do início do show. Quando cheguei fiquei sabendo que os tickets já haviam se esgotado. Confesso que fui tomado por uma profunda decepção, já que realmente estava com uma imensa vontade de ver Chuck Berry. A fila para a entrada já se formara e eu não conseguia ir embora, tamanho o meu desejo de assistir a apresentação. Fiquei circulando para lá e para cá, pensei em procurar algum cambista, mas a “grana” estava contada e eu não teria condições de pagar muito mais caro. Num determinado momento, um rapaz que estava “meio perdido” também, se aproximou e me perguntou se eu não tinha interesse em comprar um ingresso seu, já que sua namorada não tinha aparecido, e ainda ofereceu-o pelo mesmo preço da bilheteria (imagino que ele deveria estar com muita raiva!). Não tive dúvidas, nem sequer pensei no fato de o ingresso não ser verdadeiro, comprei e me encaminhei para a fila de entrada. O ingresso era verdadeiro. Lá estava eu na presença de um dos precursores do Rock ‘n’ Roll, contemporâneo de Elvis Presley, Gene Vincent, Little Richard e Buddy Holly, entre outros. Chuck Berry fez uma apresentação de apenas uma hora, porém, tempo suficiente para tocar todos os seus clássicos, como por exemplo, “Sweet Little Sixteen”, “Johnny Be Good” e “Roll Over Beethoven”. Numa certa altura do show, o músico, como já havia feito anteriormente em outras apresentações, convidou algumas jovens da primeira fila para dançarem junto à ele em cima do palco, transformando-o numa imensa festa do mais puro Rock ‘n’ Roll. Foi uma apresentação memorável, não só pelo fato de estar na presença de uma lenda viva da história da música, mas também pela diversão e alegria que seu espetáculo proporcionou a todos os presentes. Das dezenas de shows que já presenciei, esse guardo com carinho em minha memória, pois tive a oportunidade de vivenciar (ou ter uma idéia) de como era o Rock em seu início e o que ele transmitia para as pessoas.  Foi sensacional!!

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h55
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




HUMOR




Escrito por Marcelo às 22h54
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




LANÇAMENTO COMENTADO

GUNS N’ ROSES – CHINESE DEMOCRACY (2008)

 

 

 

Após uma longa espera de 15 anos, finalmente o Guns n’ Roses lança um álbum de músicas inéditas. Partes de Chinese Democracy já podiam ser apreciadas há um bom tempo em versões-demo disponibilizadas na Internet, como por exemplo, as faixas “Better” e “IRS”, porém, elas sozinhas não demonstram exatamente o conteúdo do álbum, já que podem ser, juntamente com “Chinese Democracy” e “Shackler’s Revenge”, classificadas como as que possuem uma sonoridade mais “moderna”, às vezes até flertando com o rock industrial, remetendo a Nine Inch Nails, não se parecendo em nada com o som produzido pela banda no passado. Por outro lado, faixas como “This I Love”, “Sorry”, “Madagascar”, “There Was a Time” e “Prostitute”, fazem relembrar a fase em que o grupo era um verdadeiro gigante que caminhava sobre a terra. Logicamente as guitarras de Slash fazem muita falta, mas há no disco belos solos e arranjos desse instrumento e a banda que acompanha Axl Rose desempenha bem seu papel. Se valeu ou não a pena esperar, cada um que tire suas conclusões, mas de qualquer forma o lançamento de Chinese Democracy conseguiu mexer com o mundo da música, algo relevante para uma banda considerada morta há mais de uma década. Resumo da ópera: trata-se do encontro do velho com o novo, há momentos bem diferentes no trabalho e para aqueles que gostam de Guns n’ Roses, a audição de Chinese Democracy tende a ser bem agradável, desde que comparações sejam postas de lado.

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h54
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CLÁSSICO AO VIVO

CONCERT: THE CURE LIVE (1984)

 

 

 

Primeiro álbum gravado ao vivo pelo grupo The Cure, durante a turnê inglesa do disco The Top, Concert apresenta um repertório de primeiríssima qualidade. Nele estão reunidos grandes clássicos, sendo que as versões das músicas apresentadas foram executadas de uma forma mais “crua” pela banda, o que o torna bastante interessante. Sua capa está entre minhas preferidas, e me recordo de tê-la desenhado algumas vezes. The Cure, sem a menor sombra de dúvida, é uma banda especial e possui uma discografia altamente recomendável, incluindo outros bons discos ao vivo, porém, Concert possui toda uma aura especial, já que captura a banda na parte inicial de sua carreira, fase de extrema inspiração.

 

Faixas: Shake Dog Shake – Primary – Charlotte Sometimes – The Hanging Garden – Give Me It – The Walk – One Hundred Years – A Forest – 10:15 Saturday Night – Killing An Arab

 

Marcelo




Escrito por Marcelo às 22h54
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CINEMA & VÍDEO

O PIANISTA (LE PIANISTE) – 2002

 

 

 

O filme retrata a saga do pianista Wladyslaw Szpilman durante a Segunda Guerra Mundial e todo seu sofrimento para sobreviver à investida nazista sobre a Polônia, refugiando-se em prédios abandonados pela cidade, além do surgimento do Gueto de Varsóvia. Apesar de tratar-se de um filme sobre guerra, as grandes batalhas não são o foco principal da trama, onde o diretor Roman Polanski opta por mostrar as angústias dos poloneses, vítimas das insanidades do exército alemão. Torna-se bastante interessante e emocionante acompanhar o desenrolar da história desse ponto de vista, e assim ter uma pequena noção do sofrimento de civis durante os anos de chumbo. O filme foi premiado com 3 Oscars: Melhor Diretor - Roman Polanski, Melhor Ator - Adrien Brody  e Melhor Roteiro Adaptado. O Pianista pode ser considerado como um dos grandes filmes já produzidos sobre o tema.

 

Cena do filme que rendeu o Oscar ao ator Adrien Brody

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h54
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




MÚSICO EM DESTAQUE – BILLY DUFFY

 

 

 

William Henry Duffy, ou Billy Duffy (Inglaterra, 12/05/1961), é membro da banda The Cult. No início de sua carreira tocou ao lado de Morrissey, ex-vocalista do sensacional grupo The Smiths. Após se juntar a Ian Astbury, levou o The Cult às paradas de sucesso ao redor do planeta, tornando-se um guitarrista bem conceituado entre várias vertentes da música. Billy demonstra sua capacidade desde a fase em que o Cult soava mais como um grupo gótico até a fase mais hard rock / heavy metal, com vários riffs marcantes de fácil reconhecimento por parte de seus seguidores. Particularmente, sua fase gótica é a que mais me agrada, além de seu enorme talento como violonista, não muito explorado nos discos de carreira do The Cult, mas que pode ser conferido nas versões acústicas das músicas lançadas no box Rare Cult, uma excelente compilação de raridades da banda. Billy Duffy fez diversas aparições ao lado de renomados artistas, tais como David Bowie, Duran Duran, INXS e Billy Idol. Um músico talentoso que figura entre meus preferidos!

 

Marcelo 



Escrito por Marcelo às 22h53
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




MUSAS DO ARMAZÉM!

 

 

 

PAULA TOLLER AMORA (23/08/1962), cantora e compositora, possui uma sólida e premiada carreira musical junto ao grupo Kid Abelha, onde já gravou mais de 16 álbuns. Atualmente cuida de seu trabalho solo, que conta com dois discos lançados (1998 e 2007) e finaliza seu primeiro DVD oficial. Musa de minha geração, doce (como seu sobrenome diz), talentosa e inteligente, é uma mulher e artista que sempre contou e conta com minha profunda admiração!

 

Marcelo (Com ela, eu iria até para o Afeganistão!)



Escrito por Marcelo às 22h53
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CRAQUE DA BOLA - MÜLLER

 

 

 

Luis Antonio Corrêa da Costa, o Muller (31/01/1966), obteve grande destaque no cenário do futebol mundial nas décadas de 80 e 90. Atuou nos cinco grandes clubes paulistas: São Paulo, Palmeiras, Corinthians, Portuguesa e Santos, além de Cruzeiro – MG, Torino da Itália e uma breve passagem pelo Japão. Contudo, o jogador está relacionado de forma mais intensa com o São Paulo Futebol Clube, onde conquistou seus principais títulos.  

Muller sempre foi presença marcante nos times em que atuou, tendo inclusive, participado de três Copas do Mundo1986, 1990 e 1994, sendo Campeão Mundial nesta última.

Além de sua histórica participação nos títulos Brasileiros, Sul-americanos e Mundiais conquistados pelo São Paulo, Muller fez parte do badalado ataque dos 100 gols, conquistando o título Paulista de 1996, pela Sociedade Esportiva Palmeiras.  Sem dúvida alguma, Muller fez parte de uma geração de jogadores que deixou saudades, onde grandes nomes defendiam as cores dos clubes nacionais e faziam história, diferentemente do que ocorre atualmente, onde “Patos” da vida deixam a nação em busca de incalculáveis fortunas sem terem escrito seus nomes de forma real e contundente junto aos clubes que defenderam.  Hoje é comentarista esportivo na Sport TV. Marcou mais de 220 gols em sua carreira.

 

 

 

Principais títulos:

 

Campeonato Paulista: 1985, 1987, 1991, 1992, pelo São Paulo e 1996 pelo Palmeiras

Campeonato Brasileiro: 1986, 1991, pelo São Paulo

Copa Libertadores da América: 1992, 1993, pelo São Paulo

Mundial Interclubes: 1992, 1993, pelo São Paulo

Copa do Brasil: 2000, pelo Cruzeiro

Copa da Itália: 1989, 1990, pelo Torino

Copa do Mundo: 1994

 

Até o próximo - Marcelo  



Escrito por Marcelo às 22h53
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




LENDAS, MITOS E AFINS

 

O BARQUEIRO DA MORTE

 

 

 

Os gregos e romanos da antiguidade acreditavam que as almas dos mortos deveriam fazer a travessia do Aqueronte, rio transformado por Zeus em infernal, após suas águas terem sido fornecidas aos titãs, seus inimigos, pelo filho do Sol e da Terra.

Caronte, um deus idoso, mas imortal, era o responsável pela travessia das almas dos falecidos para a outra margem do rio Aqueronte, local onde lhes era destinado, porém, somente transportava as almas dos mortos cujos corpos tivessem sido devidamente sepultados e os vivos lhes prestado as devidas homenagens fúnebres. O barqueiro da morte cobrava pela travessia, partindo daí o costume de tais povos antigos enterrarem ou cremarem seus entes com uma moeda (óbolo) debaixo de suas línguas ou sobre seus olhos.

Os mortos que não pudessem pagar pela travessia eram condenados a vagar pela margem do rio por um período de cem anos e acreditava-se que durante o citado período assombrariam o mundo dos vivos. Aos supersticiosos, não custa nada solicitar a seus parentes que deixem uma “moedinha” junto aos seus restos mortais, vai saber se ela não será necessária...

 

 Marcelo




Escrito por Marcelo às 22h53
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




HUMOR

 

 

(conheci essas "figurinhas" através do blog http://vampiiiria.zip.net)



Escrito por Marcelo às 22h53
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O TEMPO NÃO PÁRA...

 

O privilégio de envelhecer. A oportunidade de viver uma vida junto à arte. Uma homenagem a alguns artistas que desde sempre fizeram parte de minha história musical.

 

 

 

Ordem: Angus Young, Robert Plant, Bono Vox, Paul Stanley, Ronnie Dio, Eddie Van Halen, Jimi Page, Madonna, Morrissey, Roby Krieger, Ian Gillan, Robert Fripp, Stewart Copeland.

 

Marcelo (um eterno apaixonado pela música!)  



Escrito por Marcelo às 22h52
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




DISCOTECA BÁSICA – BOB DYLAN – DESIRE (1976)

 

 

 

Considero Desire um disco extremamente importante na carreira de Bob Dylan, e o que mais me identifico. Sua extensa obra musical proporciona vários trabalhos que podem (e devem) ser considerados como essenciais, mas um artista como Dylan tem o dom de influenciar o gosto musical de cada um de formas diferenciadas. Acredito que muitos citariam, por exemplo, Highway 61 Revisited ou Blonde on Blonde como fundamentais, e realmente são, porém minha citada identificação com Desire foi imediata. Faixas como “Hurricane”, “One More Cup of Coffee” e “Sara”, desde que as conheci, sempre estão presentes em momentos em que desejo ouvir boa música, ou simplesmente “viajar entorpecido” por algumas cervejas, e sempre me emocionam. Em minha opinião, Bob Dylan é um artista que tem que ser descoberto sem pressa, de nada adianta tentar compreendê-lo de uma só vez, e Desire deve fazer parte desse aprendizado.

 

Faixas: Hurricane – Ísis – Mozambique - One More Cup of Coffee - Oh, Sister – Joey - Romence in Durango - Black Diamond Bay - Sara.

 

Marcelo  



Escrito por Marcelo às 22h52
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




GALERIA DAS ARTES

O PENSADOR (LE PENSEUR) – 1880

 

 

 

Uma das mais famosas esculturas do francês AUGUSTE RODIN (1840/1917). É confeccionada em bronze e retrata um homem em profunda meditação. Originalmente se chamava O Poeta, e foi concebida com a intenção de representar Dante Alighieri, escritor do poema A Divina Comédia, em frente aos Portões do Inferno, uma das passagens do referido poema. Existem mais de vinte cópias autorizadas espalhadas ao redor do mundo, inclusive uma no Instituto Ricardo Brennand, localizado em Recife-PE. A estátua original (que vemos na foto) faz parte do acervo do Museu Rodin, localizado em Paris, na França, e está exposta em seus jardins.

 

Até a próxima - Marcelo   



Escrito por Marcelo às 22h51
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




HISTÓRIAS DE HISTÓRICOS

VIRGULINO FERREIRA DA SILVA – O LAMPIÃO

 

 

 

Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião (1897/1938), nasceu em Serra Talhada, no sertão pernambucano. Filho de uma família de oito irmãos, desde criança demonstrava ser um excelente vaqueiro, cuidando dos animais de sua propriedade, além de trabalhar com artesanato em couro. Na adolescência, após uma discussão com vizinhos, Virgulino envolveu-se em crimes, furtando a família rival. Tal rixa culminou na perseguição dele e de seus irmãos Levino e Antonio por parte da polícia local, oportunidade em que seu pai, José Ferreira da Silva, homem pacífico e tranqüilo, foi morto por policiais, fazendo com que ele jurasse vingança.

 

Por volta de 1920, com tal objetivo de vingança, alistou-se no bando do cangaceiro Sinhô Pereira. Após alguns anos Sinhô Pereira delegou o comando do bando para Virgulino, o Lampião.

 

Lampião roubava comerciantes e fazendeiros, sempre distribuindo parte de seus saques para a população pobre da região. Sua fama e vida de crimes o levaram a ser o criminoso mais procurado do País. Há relatos de que Lampião e seu bando eram homens de extrema violência, seqüestravam crianças, ateavam fogo em fazendas, exterminavam rebanhos, estupravam, marcavam rostos com ferro quente. Uma das histórias que envolvem a lenda foi o fato dele ter obrigado um de seus próprios homens a comer um quilo de sal antes de fuzilá-lo. Tais atos ou lendas lhe renderam o apelido de “O Rei do Cangaço”. Todos os integrantes do bando de Lampião possuíam apelidos curiosos, tais como Meia Noite, Carcará, Quinta-Feira, Mergulhão, Cajarana, Diferente, Cabeleira, além de Corisco – o diabo loiro, um dos mais famosos.

 

 

O bando de cangaceiros

 

Em 1926, quando se encontrava no estado do Ceará, devido à sua comprovada fama de estrategista, foi convidado pelo próprio Padre Cícero a combater a Coluna Prestes, marcha de militares rebelados.  Em troca, Lampião receberia a anistia do governo e o posto de Capitão dos Batalhões Patrióticos, que combatiam os revolucionários da Coluna. Durante sua perseguição à Coluna Prestes, ao chegar ao estado do Pernambuco, foi novamente perseguido pelas volantes (polícia), fato que o fez perceber que nem a anistia nem a patente eram oficiais, voltando, assim, ao banditismo e passando a atuar nos estados da Paraíba, Pernambuco e Ceará.

 

Durante uma de suas inúmeras fugas, atravessou o Rio São Francisco e, após reestruturar seu bando no estado da Bahia, passou a agir, além da Bahia, em Sergipe e Alagoas.

 

Por volta de 1930/1931, conheceu Maria Déia, que apaixonada por ele, se juntou ao cangaço e ficou conhecida como Maria Bonita. Após isso, várias outras mulheres se juntaram ao bando de cangaceiros. Com Maria Bonita, Lampião teve uma filha chamada Expedita Maria Bonita.

 

Lampião e Maria Bonita, personagens da cultura nordestina e nacional.

 

Na manhã do dia 28/07/1938, enquanto se preparavam para levantar, Lampião, seus homens e as mulheres que os acompanhavam foram mortos em uma emboscada preparada pelos policiais do Tenente João Bezerra. A volante alagoana, composta por 48 policiais, chegou de surpresa e liquidou os cangaceiros sem maiores dificuldades, pegando-os totalmente desprevenidos. Lampião estava acampado na Fazenda Angicos, situada em Sergipe e considerada por ele um local de total segurança. Até hoje não se sabe ao certo quem o traiu.

 

Lampião, Maria Bonita (que ainda estava viva) e mais nove cangaceiros tiveram suas cabeças decepadas e expostas em vários locais do País. Na cidade de Piranhas foram fotografadas juntamente com as armas e apetrechos dos cangaceiros. Seguiram para Maceió, Sul do Brasil e finalmente Salvador, na Bahia, onde ficaram expostas no Museu Nina Rodrigues por mais de três décadas.

 

 

A macabra exposição dos restos mortais de parte do bando de Lampião

 

O cangaço teve seu fim no ano de 1940, após a morte de Corisco – o diabo loiro, que também teve sua cabeça exposta no referido museu em Salvador.

 

Durante muitos anos, as famílias de Lampião, de Maria bonita e de Corisco lutaram para sepultar seus restos mortais. O enterro somente aconteceu depois do Projeto Lei nº 2867, de 24/05/1965 e das pressões do povo brasileiro. As cabeças de Virgulino e de Maria Bonita foram finalmente sepultadas em 06/02/1969. Os demais tiveram seus enterros uma semana depois.

 

Algumas lendas explicam seu apelido, como por exemplo, o fato do cano de seu rifle, ao ser utilizado, lembrar a luz de um lampião, ou ainda, dele ter iluminado um determinado ambiente a tiros para que um de seus companheiros localizasse um cigarro perdido.

 

Lampião é considerado por muitos como um bandido sanguinário e por outros muitos como um verdadeiro herói. Fato é que acontecimentos, mitos e lendas que envolvem sua história e a história de seu bando fazem dele parte importante de nossa cultura e por isso não pode ser esquecido.



Escrito por Marcelo às 22h51
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




ARTWORK DE PRIMEIRA

LED ZEPPELIN II (1969)

 

 

Durante muito tempo, após ler ou ouvir tal informação, acreditei que a capa do segundo LP do Led Zeppelin tratava-se de uma montagem utilizando uma das tripulações do LZ 129 - Hindenburg, do qual comentei há pouco tempo aqui no blog. Ledo engano! Trata-se de uma montagem com os membros do Jasta XI, temido e respeitado esquadrão alemão liderado pelo Barão Vermelho (do qual também comentei). Além dos músicos do Led, estão presentes o empresário da banda Peter Grant, o manager Richard Cole, a atriz Glynis Johns e o cantor de blues Blind Willie Johnson. A capa foi concebida por David Juniper. Vivendo e aprendendo...

 

 

A foto original do Jasta XI

 

Marcelo  



Escrito por Marcelo às 22h51
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CARANGOS E MOTOCAS

 

A grande admiração do brasileiro por carros e motos faz parte de nossa cultura, e eu, apesar de ser um motorista medíocre, não sou diferente dos demais, por isso imagino que neste espaço podemos falar um pouco sobre tal assunto, seja sobre um carro, uma moto, um veículo curioso, sei lá, vai de nossa criatividade. E para iniciar, um carro que realmente é um grande objeto de desejo meu. Se minha conta bancária não sofresse de anorexia e não vivesse de regime e tão magrinha, eu teria um desses.

 

MUSTANG SHELBY GT 500

 

 

Modelo 1965 – nascia um clássico!

 

Produção iniciada na década de 60 e finalizada na década de 70, um veículo forte, com seis marchas e motor V8. Após vários anos teve novamente sua produção reativada, como podemos perceber no modelo 2008 abaixo, que apesar da mudança em suas linhas, continua sendo um carro para ninguém botar defeito. Teve grande destaque no filme 60 segundos, com Nicholas Cage, sendo a última jóia a ser perseguida no enredo. Lindo! Não encontro outro adjetivo.

 

 

Modelo 2008 – continua clássico!

 

 

Marcelo 

 

(Carangos e Motocas é o nome de um desenho produzido na década de 70, que obteve sucesso no Brasil na década de 80 – alguém lembra?)



Escrito por Marcelo às 22h51
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CLÁSSICO AO VIVO

WHITESNAKE - LIVE...IN THE HEART OF THE CITY (1980)

 

 

Gravações realizadas em 1978 e 1980, mostram o Whitesnake em grande forma e com uma grande formação: David Coverdale – vocais, Ian Paice – bateria, John Lord – teclados, Micky Moody e Bernie Marsden – guitarras e Neil Murray – baixo, com um repertório recheado de Hard Rock e Rythm ‘n’ Blues, do qual não consigo destacar uma música, já que desde sempre gosto de ouvi-lo por inteiro. Foi originalmente lançado em vinil duplo, e me recordo que quando adquiri o exemplar que tenho até hoje, ele foi comprado em sociedade com o Márcio, um disco era meu, o outro dele. Com o tempo ele passou a ser só meu, acho que houve uma troca, mas não me lembro bem. As músicas foram retiradas dos álbuns Snakebite, Trouble, Ready an’ Willing e Lovehunter, período de grande inspiração do grupo, em minha opinião. Vale apreciar!

 

Faixas: Come On – Sweet Talker – Walking in the Shadow of the Blues – Love Hunter – Fool for Your Loving – Ain’t Gonna Cry No More – Ready An’ Willing – Take me with You – Come On – Might Just Take Your Life – Lie Down – Ain’t No Love in the Heart of the City – Trouble - Mistreated

 

Marcelo  




Escrito por Marcelo às 22h50
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CRÔNICAS DE ARMAZÉM - “HABEMUS PRESIDENTE”

 

O planeta está eufórico. Finalmente conhecemos o nome do “novo homem mais poderoso do mundo”. Do oriente ao ocidente chegam notícias de aprovação de seus líderes em relação à eleição de Barack Obama para presidente do império americano. Estranho o fato de a raça humana necessitar e aceitar que tanto poder permaneça nas mãos de um só ser, apesar disso não ser privilégio somente de nossos contemporâneos, afinal Césares e Napoleões sempre existiram. Bom seria se o mundo realmente fosse globalizado (como “parece” ser), mas que cada raça, cada etnia, cada credo pudesse viver em harmonia sem essa gigantesca dependência de Impérios que insistem em perpetuar. Fica a esperança de que esse homem, representante de uma raça historicamente injustiçada e conhecedor de culturas diversas e adversas, saiba cuidar de um planeta que nos próximos quatro anos permanecerá como um adorno sobre sua mesa e que essa enorme euforia não termine numa quarta-feira de cinzas, antes que o mandarim se torne a língua principal entre os comandantes.

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h50
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




“TÁ ROLANDO”  NO MEU MP3LANÇAMENTOS COMENTADOS

 

 

O RAPPA – 7 VEZES (2008) – A banda carioca mantém, com esse seu lançamento, em minha opinião, sua evolução musical. Continua tratando de temas do cotidiano, principalmente o da vida fluminense. O disco apresenta o mesmo formato de seu antecessor “O Silêncio que Precede o Esporro”, o que o torna bastante interessante, desde que deixemos bairrismos de lado e nos concentremos nas mensagens apresentadas. Acredito que aqueles que gostam dO Rappa, assim como eu, vão apreciar seu novo trabalho. Destaques: “Meu Mundo é o Barro” – “Farpa Cortante” – “7 Vezes”

 

 

AC/DC – BLACK ICE (2008) – É realmente impressionante como o AC/DC consegue manter a mesma linha de suas composições durante tantos anos sem se tornar desinteressante. Black Ice não apresenta nenhuma inovação musical por parte da banda, nenhuma novidade, mas, em se tratando de AC/DC, tal atitude não deixa nada a desejar, afinal com essa banda a festa e a diversão estão sempre garantidas. Destaques: “Stormy May Day” – “Rock ‘n’ Roll Dream” – “Black Ice”

 

 

CAPITAL INICIAL – MULTISHOW AO VIVO (2008) – Ao contrário de minha opinião em relação ao AC/DC, a mesmice do Capital Inicial se torna cansativa. Após anos e anos de espera por um disco ao vivo com a formação quase original, a banda apresenta um trabalho que soa como se não houvesse empolgação ou meramente comercial. Os gritos histéricos das tietes são bem destacados, quase remetendo às apresentações antigas da banda no extinto Cassino do Chacrinha, além de parecerem overdubs. Se você gosta de Capital Inicial, como também é meu caso, não tenha pressa em adquirir esse álbum, ele é quase dispensável. Destaque: “Os gritinhos de Uh!Uh!Uh! das tietes” e para não dizer que sou tão radical: “À Sua Maneira" - "Fogo”

 

Marcelo  



Escrito por Marcelo às 22h50
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




 

MAIS ALGUMAS CARICATURAS

 

Samuel Rosa, Herbert Vianna, Marcelo Falcão, Gilberto Gil, Joey e Johnny Ramone

 

 

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h49
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




UM CANTO, UM CONTO (Epílogo)

 

 

Passaram-se vários e vários anos, sua carreira de escritor havia se solidificado, Artur gozava de uma boa vida e obtivera o reconhecimento de todos, porém aquela lembrança sempre o atormentava. Onde Sylvia foi parar? Por que ela fugiu? O que realmente aconteceu?

Resolveu voltar à cidade onde tudo se sucedera. Em sua chegada, percebeu várias mudanças, muita coisa havia se modificado, a velha pensão já não mais existia. A praça, por sua vez, continuava intacta, como ele a conheceu anos atrás e onde, de alguma forma, foi feliz.

Buscou informações junto a moradores próximos do local onde outrora Sylvia costumava freqüentar, contudo, sem nenhum sucesso.

Passados alguns dias, e com o mistério sem solução, Artur já planejava novamente partir, todavia, em um de seus passeios sem rumo, avistou uma velha senhora sentada confortavelmente junto ao seu portão, balançando-se em sua cadeira. Nesse momento pensou: - Aquela senhora talvez saiba alguma informação ou algo que me ajude!

Aproximou-se e pediu licença para contar sua história. A mulher ouviu-o atentamente e disse não poder ajudar com nenhuma informação sobre a tal garota, contudo, disse possuir um antigo álbum de retratos que continha várias fotografias de moradores de outras épocas e, quem sabe, lá poderia haver alguma pista.

De posse do álbum, Artur, bastante emocionado, olhou-o atentamente e entre as velhas fotografias encontrava-se uma de sua antiga amada Sylvia.

-É ela! É essa a jovem da qual lhe falei! Gritou o homem.

-Tem certeza, senhor?

-Claro! Eu jamais esqueceria seu lindo rosto!

Eis que a senhora, fitando-lhe profundamente os olhos, falou:

-Por favor, meu bom senhor, isto é impossível! Eu tenho hoje noventa e três anos de idade e este retrato é uma antiga fotografia de minha mãe, e segundo contou minha tia Catharina, que foi quem me criou, ela relacionou-se com um jovem vindo da capital, seu único homem e meu pai, o qual não conheci, além de morrer ao me dar a luz!...

 

FIM

 

Do meu subconsciente

 

Algumas considerações: o tema deste conto não se trata de algo fenomenal, sequer tenho certeza tratar-se de algo inédito, mas isto não teve importância para mim. É apenas uma livre adaptação de um sonho que tive e o fato principal foi tê-lo escrito, algo que nunca tinha feito (formato de conto) e que me foi muito prazeroso. Aconselho a todos que, assim como eu, nunca se atreveram a escrever algo, que o façam, garanto que vão apreciar muito o momento. Grato pela paciência.

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h49
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




F-INDY – HALL DA FAMA – SÉBASTIEN BOURDAIS

 

 

 

O francês Sébastien Bourdais (28/02/1979), após a conquista do título da Fórmula 3000 em 2002, transferiu-se para a Champ Car, nome adotado por dissidentes da Fórmula Indy após a cisão ocorrida judicialmente em meados dos anos 90, devido a opiniões contraditórias de seus organizadores, que só viriam a unificar-se novamente durante a temporada de 2008.

 

 

Carro da equipe Newman-Haas, onde Bourdais foi tetracampeão

 

Em 2003, ano de sua estréia, conquistou a quarta colocação no campeonato, sendo considerado o estreante do ano (Rookie of the Year). Na Champ Car, Bourdeais defendeu a tradicional equipe Newman-Haas, sendo tetracampeão – 2004-2005-2006-2007 – que tem como um de seus sócios o ator Paul Newman.

 

Em 2008, estreou na Fórmula 1, onde defende a Scuderia Toro Rosso – STR – e ocupa a 17ª posição no campeonato, marcando seus primeiros pontos em sua primeira corrida, no GP da Austrália.

 

 

O Fórmula 1 da STR, atual equipe do francês

 

Até mais - Marcelo  



Escrito por Marcelo às 22h49
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




DISCOTECA BÁSICA

DEEP PURPLE – MACHINE HEAD (1972)

 

 

 

O principal fato de classificar Machine Head como discoteca básica é devido ao seu repertório, uma junção de músicas que desde seu lançamento passou a fazer parte da base de set lists da banda, sendo repetidamente executadas e adoradas até os dias atuais. O disco em si soa como um greatest hits, tamanha sua identificação com o público que venera essa vertente do rock. No ano de seu lançamento, o Deep Purple contava com sua formação mais clássica: Ian Paice, John Lord, Ritchie Blackmore, Ian Gillan e Roger Glover, protagonistas de brigas homéricas, mas também responsáveis pela fase de maior sucesso e inspiração do grupo. Machine Head, sem sombra de dúvida, deve ser item obrigatório na coleção de qualquer roqueiro!

 

Faixas: Highway Star – Maybe I’m a Leo – Pictures of Home – Never Before – Smoke on the Water – Lazy – Space Truckin’

 

Ouça no Volume Máximo! - Marcelo 



Escrito por Marcelo às 22h48
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CINEMA & VÍDEO

VIDA DE MENINA (2004)

 

 

 

Baseado no livro “Minha Vida de Menina (O diário de Helena Morley)”, da escritora Helena Morley - pseudônimo de Alice Davrell Caldeira Brant (1880-1970), literatura clássica brasileira de grande sucesso entre as décadas de 40 e 60, traduzido para várias línguas como, por exemplo, o francês, inglês, italiano e japonês, o filme apresenta de forma lírica as aventuras da adolescente Helena, que retrata em seu diário, escrito entre os anos de 1893 e 1895, os acontecimentos passados em sua família, de descendência inglesa e racista, bem como na cidade de Diamantina, interior de Minas Gerais, pouco tempo após a abolição da escravatura. Menina de personalidade forte, que procurava expressar suas opiniões em uma época em que isto não era visto com bons olhos, a adolescente experimenta várias situações da vida como a pobreza, os desejos materiais, a amizade, o desencanto, a morte e o amor. Há também uma grande preocupação com o desenvolvimento dos diálogos, com as vestimentas da época e com a produção do ambiente onde se desenvolve a história. Foi dirigido por Helena Solberg e Wagner Tiso assina a trilha sonora.

 

 

A atriz Ludmila Dayer interpreta Helena

 

 Marcelo  



Escrito por Marcelo às 22h48
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




FOTOS E FATOS

PALACETES PRATES

 

 

 

No final do século XIX, o Vale do Anhangabaú, localizado no centro de São Paulo, passava por grandes transformações e foi nessa época que o rico fazendeiro Eduardo da Silva Prates construiu ali dois prédios idênticos, os “Palacetes Prates”. Lá se instalou a Prefeitura Municipal e posteriormente a Câmara Municipal. A Prefeitura mudou-se no ano de 1951. A Câmara Municipal funcionou em um dos palacetes por mais de meio século, este tendo seu nome alterado para Palácio Anchieta.

Os prédios foram vendidos para o Banco Mercantil, que os demoliu na década de 70, após a mudança da Câmara, pondo um fim na histórica construção neoclássica realizada pelo Conde Prates. Uma verdadeira perda para a história cultural da cidade de São Paulo.

 

Até a próxima - Marcelo  





Escrito por Marcelo às 22h48
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




HISTÓRIAS DE HISTÓRICOS

MANFRED ALBRECHT FREIHERR Von RICHTHOFEN O BARÃO VERMELHO

 

 

 

Aos 10 anos de idade, o nobre Richthofen (1892/1918) ingressou no corpo de cadetes imperiais da Alemanha. Posteriormente tornou-se oficial da cavalaria. Uma de suas grandes paixões sempre foi a caça, a qual praticava com grande intensidade e determinação.

 

Com o inicio da Primeira Grande Guerra, Richthofen, com 22 anos, transferiu-se para a recém criada força aérea alemã, a Fliegertruppe, fato que para os jovens aristocratas que lutavam na guerra proporcionava uma maior visibilidade de seus feitos, afastando-os da possibilidade de morrerem nas trincheiras, misturados a outras dezenas de cadáveres ou dizimados por doenças. Participou de vôos de reconhecimento e bombardeios, e segundo ele próprio, sentia prazer em liquidar seus oponentes.

 

Em 1916, passou a receber formação de piloto de caça, destacando-se por sua agressividade, o que lhe rendeu a medalha de honra ao mérito após abater dezesseis aviões inimigos em pouco tempo. Na época, as batalhas aéreas começaram a ter grande destaque junto à imprensa e grande repercussão popular, devido aos desafios espetaculares que os pilotos enfrentavam em seus combates.

 

Manfred von Richthofen mandou pintar seu avião, um Albatroz DR I da Fokker, com as cores de seu antigo regimento da cavalaria – o vermelho. Assim nascia o Barão Vermelho, apelido dado por seus inimigos, sendo que, na Alemanha, o chamavam de o Piloto Vermelho. Tal atitude foi seguida pelos outros integrantes de seu esquadrão, o JastaXI, que passou a ser conhecido como o “Circo Voador”, com a finalidade de serem reconhecidos no ar por seus aliados e de provocar seus inimigos.

 

 

Reprodução do Albatroz pilotado por Richthofen

 

Foi considerado o melhor piloto alemão durante a Primeira Guerra Mundial, sendo respeitado e admirado por seus oponentes, abatendo cerca de 80 aviões das forças inimigas, tendo tal feito ganhado as principais páginas jornalísticas daquela época. Richthofen passou a ser adorado pelo povo alemão, participando de várias homenagens e ganhando, inclusive, vários tipos de condecorações e medalhas que o II Reich possuía, sendo tratado como herói. Tais acontecimentos chamaram a atenção de seus opositores, que passaram também a promover seus pilotos.

 

 

O Jasta XI, o mais temido e respeitado esquadrão alemão. Richthofen encontra-se dentro do avião

 

Richthofen aplicava às batalhas aéreas as regras da cavalaria, ele jamais perseguia um piloto atingido até matá-lo, não disparava contra um piloto que saltasse de pára-quedas ou, que em terra, tentasse escapar-lhe.

 

Em 1918, numa batalha que envolvia 25 aeronaves alemãs e 15 da RAF inglesa (Royal Air Force), o ás alemão iniciou perseguição a um avião Sopwith Camel, do piloto Wilfred R. May, que ferido mergulhou em direção ao vale de Somme, na França, onde encontravam-se tropas australianas aliadas. Durante tal perseguição Richthofen foi alvo de dezenas de disparos vindos do solo e de um segundo avião aliado, sendo atingido e morrendo, aos 25 anos, na histórica batalha. Até hoje não se sabe ao certo quem o atingiu, se algum soldado que se encontrava no solo ou o piloto do segundo avião que o perseguia.

 

 

Fotos publicadas em 1918 pelos aliados: o avião do Barão Vermelho abatido e seus restos mortais

 

Seu corpo foi sepultado pelos aliados com honras militares na França. Após o termino da guerra, foi exumado e novamente sepultado, em 1925, com honras militares, desta vez em Berlim, na Alemanha, sua terra natal, com grande participação popular.

 

O próprio Richthofen escreveu sobre sua carreira de piloto, num livro publicado em 1917, o Der rote Kampfflieger, que vendeu mais de 250 mil exemplares em um ano e ajudou a criar o mito do grande herói de guerra. Manfred von Richthofen dá nome a esquadras, quartéis e ruas.

 

 

Reprodução de uma batalha aérea

 

CURIOSIDADES

- No Brasil, o nome Manfred von Richthofen foi repetido inúmeras vezes no ano de 2002, porém não se tratando do piloto alemão, e sim de um caso de assassinato ocorrido na cidade de São Paulo, de grande repercussão em todo o país.

- Circo Voador foi o nome escolhido para um local de espetáculos, localizado na cidade do Rio de Janeiro, e que na década de 80 foi palco para o surgimento de inúmeras bandas que se tornariam grandes nomes do rock/pop nacional, inclusive a banda carioca Barão Vermelho.

- O filme FLYBOYS, Nascidos para Voar (2006) trata das grandes batalhas aéreas ocorridas durante a Primeira Guerra com um visual incrível e  com uma história bastante interessante. Vale conferir.

 

 

Marcelo




Escrito por Marcelo às 22h48
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CURIOSIDADES

 

A TORRE EIFFEL

 

 

Em 1888, mais de trezentos intelectuais e artistas franceses fizeram um manifesto exigindo a demolição de um grande esqueleto metálico que estava sendo construído às margens do Rio Sena, em Paris. Era a Torre Eiffel, que foi inaugurada em 31/03/1889 e hoje é um dos monumentos mais visitados no mundo, recebendo cerca de seis milhões de turistas por ano. Foi projetada por Gustave Eiffel, em comemoração ao centenário da Revolução Francesa. A principio, depois das comemorações, a torre seria demolida, fato que não ocorreu e hoje ela é considerada o maior símbolo da Cidade Luz. A Torre Eiffel pesa mais de 10.000 toneladas, possui uma altura de 324 metros, abriga museus, lojas e restaurantes.

 

 

Parte de Paris vista da Torre Eiffel

 

Foi ao redor dela que, em 1901, Santos Dumont apresentou seu balão dirigível nº 6, proporcionando o ápice de sua popularidade na Europa, até então.

Outro fato bastante curioso é que a Torre foi vendida em 1925, sendo tal proeza realizada por Victor Lusting, golpista austríaco que ao saber que a Prefeitura local tinha dificuldades em mantê-la, negociou-a com empresários do ramo de ferro velho, se passando por oficial da citada Prefeitura e afirmando que seria demolida. Lusting foi preso em 1934 e encaminhado para Alcatraz, onde fez companhia a Al Capone.

 

 

 

LZ 129 HINDENBURG

 

 

O dirigível LZ 129 Hindenburg foi encomendado pelo governo de Adolf Hitler, com a finalidade de demonstrar a superioridade tecnológica alemã para o mundo. Tratava-se do maior dirigível já construído, medindo 245 metros de comprimento e sustentado por 200 mil metros cúbicos de hidrogênio. Era utilizado na aviação comercial de passageiros, sendo um meio de transporte luxuoso para classes abastadas, com uma passagem caríssima, chegou a sobrevoar o Egito e a Rússia. Atravessou o oceano Atlântico, tendo, inclusive, sobrevoado o Brasil.

 

 

O Hindenburg sobre a cidade de Santos-SP, em 1935

 

 

O interior do dirigível

 

Quando de sua chegada na cidade americana de Lakehurst, em 06/05/1937, durante suas manobras de pouso, incendiou-se, protagonizando um dos acidentes aéreos mais famosos da história. A causa de tal acidente nunca foi totalmente esclarecida e hipóteses vão desde falha humana à presença de eletricidade estática. Um novo dirigível, o LZ 130 Graf Zeppelin II chegou a ser construído em sua substituição, porém, nunca foi utilizado. O grande incêndio do LZ 129 pôs fim, definitivamente, na utilização de dirigíveis na aviação comercial. Seu incêndio vitimou 36 pessoas.

 

Considerada, na época, “a maior catástrofe do mundo”

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h47
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




LANÇAMENTO COMENTADO

OASIS – DIG OUT YOUR SOUL (2008)

 

 

Não sou um profundo conhecedor de toda a obra do Oasis, aliás, houve um tempo em que me parecia que os irmãos Gallagher estavam mais preocupados com seus egos do que com a música em si. Contudo, Dig Out Your Soul agradou-me muito. O disco conta, em sua grande parte, com o velho estilo do Oasis, não são raras as oportunidades em que pode ser reconhecida a eterna influência do Fab Four de Liverpool, porém, os arranjos passaram a ter uma maior liberdade, como por exemplo, na faixa “The Nature of Reality”, em que é utilizada uma base rythm and blues, ou “(Get Off Your) High Horse Lady", quase um country. Outro arranjo curioso, talvez até motivo de polêmica, é o da faixa “Waiting for the Rapture”, que em sua introdução não se diferencia em nada de “Five to One”, da banda The Doors. Há também a bela balada “I’m Outta Time”, no antigo estilo da banda. Em suma, trata-se de um bom disco, que vale ser conhecido. Destaco a faixa “Falling Down”, com uma bateria bate-estaca e um vocal  muito bacanas.

 

Faixas: Bag It Up – The Turning –Waiting for the Rapture – The Shock of the Lightning – I’m Outta Time – (Get Off Your) High Horse Lady – Falling Down – To Be Where There’s Life – Ain’t Got Nothin’ – The Nature of Reality – Soldier On

 

Marcelo  



Escrito por Marcelo às 22h47
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Em tempos de decisão de campeonato na Fórmula 1, um

 

ARQUIVO X

 

Bastante interessante de dois “gênios” desse esporte.

 

 

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h47
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




UM CANTO, UM CONTO (Parte III)

 

 

Entre suas conversas, Artur tentava descobrir algo mais sobre Sylvia, onde morava, informações sobre sua família ou algo nesse sentido, porém, Sylvia sempre relutava em dar-lhe esses detalhes, alegando ser seus familiares muito conservadores, seu pai ser um homem de poucas palavras, ranzinza e que jamais compreenderia sua amizade com o rapaz, além de sua irmã mais velha, Catharina, também conservadora e que costumeiramente fazia as vezes de sua mãe, proibindo-a de muitas coisas.

De qualquer forma, Artur já não conseguia mais parar de pensar na jovem, percebendo que seu carinho por ela só aumentava e aumentava.

Depois de algum tempo, com uma grande agonia tomando seu peito, Artur resolveu declarar-se, contar à Sylvia tudo que o afligia, todo seu sentimento por ela.

-De hoje não passa. Assim que ela chegar, conto-lhe tudo! E assim o fez quando de sua chegada, disparando frases e mais frases a respeito de sua paixão pela jovem que, para sua surpresa, também confessou estar correspondendo às suas expectativas.

-Sylvia, você está realmente certa de seus sentimentos? Não quero assustá-la, tampouco pressioná-la a nada...

-Artur, seu tolo, você realmente acha que se eu não tivesse tal certeza, voltaria aqui todas as tardes?

Resolveram que seria melhor não marcarem mais nenhum encontro naquela praça, afinal aquela situação poderia parecer estranho aos olhares alheios e de alguma forma chegar ao conhecimento de seu pai prematuramente. Mas como fazer? Onde se encontrar? Deveriam pensar sobre o assunto.

Por alguns dias a angústia de tal situação permaneceu afligindo o escritor, até que, em uma determinada tarde, D. Vera, sua senhoria, bateu-lhe à porta.

-Senhor Artur, por favor, abra, sou eu D. Vera. Trago em minha companhia uma jovem que deseja falar-lhe.

Para sua surpresa, ao abrir a porta, junto de D. Vera encontrava-se Sylvia, a linda jovem.

-Desculpe-nos, Sr. Artur, mas esta jovem diz trazer notícias da cidade, que são de vosso interesse. Com licença, mas estou a cozer o jantar e não posso me distrair...

-Sylvia! O que faz aqui? Não é perigoso? Não sei como agir!

-Eu já não suportava mais a vontade de revê-lo! Foi mais forte que minha razão e que meu medo.

-Por favor, entre. Temos muito que conversar. Precisamos resolver nossa situação.

-Não. Não em seu quarto. Por favor, não me peça isso. Conversemos em outro lugar.

Com a recusa de Sylvia em entrar nos aposentos de Artur, ambos dirigiram-se ao jardim da propriedade.

Lá estando, entre “sorrisos amarelados”, o casal se desprendeu de toda a timidez e se entregou a ardentes beijos e não menos ardentes carícias,.

-Artur, o que está fazendo...por favor....pode aparecer alguém...não...

-Não vai aparecer ninguém...eu só...não fuja de mim...eu...

E mesmo relutando contra o óbvio, foram tomados pela paixão que os sufocavam e renderam-se aos prazeres do amor, por um breve, mas intenso momento.

Na manhã seguinte, Artur acordou assustado e pensou: - Meu Deus, o que fiz? Ela é quase uma criança! Não devo deixar esta situação assim! Preciso falar-lhe! E na tarde daquele dia, com uma pressa que não lhe era usual, dirigiu-se à praça, na esperança de encontrar Sylvia, que não apareceu nem naquela tarde, nem nas tardes seguintes. Sem mais nenhum encontro, a angústia tomou conta de Artur, mas o que ele poderia fazer? Ela havia desaparecido! E as poucas pessoas com quem o escritor mantinha contato não sabiam informar nada a seu respeito.

No meio de toda aquela tormenta sem solução aparente, Artur finalmente havia terminado seu livro e nada mais o segurava naquela cidade. Resolveu partir.

 

CONTINUA...

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h46
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




UM CANTO, UM CONTO (Parte II)

 

 

O escritor ponderou por alguns momentos e após sua indecisão ter fim, resolveu aproximar-se da jovem. “Que tenho eu a perder?”, pensou.

-Boa tarde, senhorita!

-Oh! O senhor me assustou!

-Perdoe-me, não queria assustá-la. Meu nome é Artur Wagner, sou escritor vindo da capital e sua alegria chamou-me a atenção! Posso saber o seu nome?

-Sylvia... Sylvia Klein.

-Muito prazer senhorita Sylvia. Poderia trocar algumas palavras com você? Desde que cheguei aqui só tenho conversado com minha senhoria...

-Não sei se isto é correto... mas tudo bem! Afinal estamos em praça pública...

Mesmo aquele encontro possuindo “ares de timidez”, a conversa desenrolou-se por um bom tempo e Artur pôde perceber em Sylvia, além de seus lindos olhos verdes, uma grande inteligência, uma grande alegria de viver, cativante e instigante.

Após aquela tarde, o jovem casal podia ser visto com freqüência naquela praça, sempre com muita alegria, entre boas gargalhadas. Assim, os dias foram se passando, a amizade tornando-se cada vez maior e o inevitável começando a surgir: a atração!

 

CONTINUA...

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h46
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TEMPLOS DA BOLA - (Edição nº 5)

 ESTÁDIO JOSÉ DO REGO MACIEL – ARRUDA

 

As obras de construção do Estádio José do Rego Maciel, conhecido como Estádio do Arruda, localizado na cidade de Recife – PE, tiveram início no ano de 1965 e contou com a colaboração de seus torcedores, que além de doarem parte do material de contrução, ajudaram com a mão-de-obra. Sua inauguração aconteceu em 04/07/1972, num amistoso entre o  Santa Cruz 0 X 0 Flamengo

O “Arrudão” já foi considerado o 2º maior estádio do Brasil e o 4º maior estádio particular do mundo, com um projeto inicial feito para abrigar 110.000 pessoas.

 

Podemos observar na foto acima o início de sua construção

Atualmente sua capacidade gira em torno de 63.000 lugares. O recorde de público aconteceu durante a partida realizada entre Brasil 6 X 0 Bolívia, pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 1994, e registrou a presença de mais de 96.000 torcedores.

 

As cores da cobra coral, um dos apelidos do clube, permeiam todo o estádio em seu interior

O nome do Estádio homenageia o Prefeito que na época facilitou as condições para que o Santa Cruz Futebol Clube se apossasse definitivamente do terreno onde se localiza.

Até o proximo - Marcelo  



Escrito por Marcelo às 22h46
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




UM CANTO, UM CONTO (Parte I)

 

 

Em busca de tranqüilidade, novas experiências e novas inspirações, com a finalidade de terminar seu romance, o jovem e conturbado escritor Artur Wagner resolveu instalar-se por um tempo em alguma cidade do interior alemão. Sem uma escolha predefinida, partiu para a cidade de Freiburg, a mais ensolarada das cidades alemãs. Lá chegando optou por uma instalação simples, nada de grande hotel ou algo parecido.

Um tanto quanto afastada da cidade, Artur hospedou-se em uma pacata pousada, de propriedade de Vera Soffel, senhora com uma idade já avançada, que inspirava uma sensação de tranqüilidade, de paz de espírito, sempre com um agradável sorriso no rosto.

- O senhor ficará bem acomodado no bangalô dos fundos, que apesar de sua localização, é o melhor que disponho!

Um quarto pequeno, mobiliado com um velho guarda-roupa, uma grande cama e uma escrivaninha, além de um banheiro bem preservado e muito limpo.

Artur sentiu-se bem estabelecido num lugar tranqüilo que vinha de encontro com aquilo que desejava.

- Não se esqueça dos horários das refeições – avisou-lhe a velha senhora – Elas são servidas na cozinha da casa principal.

Nos primeiros dias, o escritor passava a maior parte do tempo dentro de seu quarto, rascunhando algumas linhas entre um cochilo e outro e, às vezes, passava algum tempo no jardim localizado nos fundos do terreno de D. Vera, jardim este sempre freqüentado por vários espécimes de pássaros.

Numa determinada manhã, Artur resolveu dar um passeio pelo centro da cidade. Percebeu a beleza das construções locais e também a hospitalidade de seus moradores. Caminhando sem rumo, deparou-se com uma bela praça, que possuía canteiros bem cuidados, um pequeno lago e frondosas árvores, as quais pareciam o convidar para um momento de descanso sob suas sombras. E foi justamente nesse momento de descanso e devaneios que Artur avistou ao longe uma cena que lhe chamou a atenção: uma bela jovem, de corpo esguio bem formado, cabelos negros como a noite sem luar, que parecia divertir-se com o vento.

 

CONTINUA...

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h46
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




HOMENAGEM

LUIZ GONZAGA

 

 

 

Luiz Gonzaga do Nascimento (1912/1989), ou simplesmente Luiz Gonzaga, é uma daquelas personalidades que demoram a aparecer. É considerado, com muita justiça, o Rei do Baião, e possui uma extensa e belíssima obra musical. Resolvi homenageá-lo aqui no ENCARNABLOG, já que sua música, de alguma forma, sempre se fez presente em nossas vidas, através dele mesmo ou de sua influência junto a vários nomes da MPB. Gonzagão se tornou ídolo nacional num país em que seu povo não costuma respeitar suas tradições, quebrando barreiras e atravessando o Brasil de norte a sul. Encantou gerações, fazendo com que o público dançasse ao som de seu acordeão, sempre trazendo seu baião vezes bem humorado, vezes fazendo críticas sociais e demonstrando todo o sofrimento do povo nordestino, verdadeiros heróis sobreviventes de uma região esquecida por grande parte da população rica da nação. Pessoalmente, acredito que todos que não conhecem sua carreira (se é que existe alguém que nunca ouviu falar dele!), deveriam procurar conhecê-la e desfrutar de toda alegria e inteligência de sua música. VIVA Luiz Gonzaga, grande arauto e cancioneiro nordestino!!

 

 

Luiz Gonzaga em sua juventude

 

 

Até mais - Marcelo  



Escrito por Marcelo às 22h45
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




LITERATURA

O BAÚ DO RAUL (Editora Globo)

 

 

 

Um livro bastante interessante, mesmo para aqueles que não são tão apreciadores da obra de Raul Seixas. Trata-se do resgate de anotações, poemas, contos e relatos escritos a próprio punho por Raul e reunidos em forma de livro pelo crítico Tárik de Souza. Todo o material, até então, era inédito para o grande público e mostra situações relacionadas com sua família, dinheiro, sucesso, a falta de sucesso, amores, religião e outras situações. Raul Seixas sempre possuiu um jeito único de escrever, de expressar suas opiniões e nesse livro podemos encontrar mais dessa sua obra, de seu ponto de vista. Sou grande admirador de toda a obra de Raul Seixas e fiquei bastante satisfeito ao ler “O Baú do Raul” e assim conhecer um pouco mais da intimidade do ser e do pensamento do mito, que é e jamais deixará de ser um dos maiores nomes da música popular brasileira.

 

Um pequeno trecho do livro, depoimento escrito por Raul em 1988:

 

“DIZENDO A VERDADE

Aos 43 anos de idade tudo mudou para mim.

Não faço nada com vontade; não tenho vontade de tocar, de escrever, só quero dormir, só sonhando sou mais feliz. Vivo só. Muito só.”  (Raul Seixas)

 

Até mais - Marcelo

 



Escrito por Marcelo às 22h45
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




GALERIA DAS ARTES

O SOLDADO BEBE (LE SOLDAT BOIT)

 

 

 

Obra do pintor surrealista russo Marc Chagall (1887/1985) concebida em 1912, retrata a solidão e a embriaguez de um soldado czarista distante de sua família, durante a guerra entre Rússia e Japão (1904 a 1905). Nessa obra Chagall mistura a realidade do quadro com uma lembrança de seu passado, ao pintar-se dançando com uma rapariga russa sobre a mesa, próximo ao soldado. A tela encontra-se exposta no museu de Guggenheim, em Nova Iorque, Estados Unidos.

 

 

Até a próxima - Marcelo  





Escrito por Marcelo às 22h45
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




ARTWORK DE PRIMEIRA

IRON MAIDEN – PIECE OF MIND (1983)

 

 

 

Essa capa, em minha opinião, é muito marcante na história das capas do Iron Maiden, já que Derek Riggs apresenta um Eddie totalmente modificado e diferente das versões anteriormente apresentadas. Nessa época Eddie já se tornara um “representante” da banda, e nessa condição houve certa ousadia por parte do grupo em modificar sua imagem, deixando de lado os longos cabelos e o velho jeans e camiseta, algo que a partir de então se tornaria usual, e certamente, muito esperado pela legião de fãs que o Maiden reuniu ao longo de sua careira.

 

Marcelo 



Escrito por Marcelo às 22h45
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




F-1 – HALL DA FAMA – AYRTON SENNA

 

 

 

Ayrton Senna da Silva (1960/1994) participou dos campeonatos de Fórmula 1 entre os anos de 1984 e 1994, disputou 163 Grandes Prêmios, obteve 41 vitórias e 65 pole-positions. É três vezes campeão mundial – 1988, 1990 e 1991 – todos pela equipe McLaren-Honda. Detém o recorde de voltas mais rápidas, totalizando 19, e é o maior vencedor do Grande Prêmio de Mônaco, com 6 vitórias.

 

Uma de suas características sempre foi pilotar de forma genial debaixo de chuva 

 

Defendeu as equipes Toleman, Lótus, McLaren-Honda e Williams-Renault. Nas pistas, Senna apresentava uma personalidade agressiva, não se contentando com nada além da vitória, o que contrastava com sua personalidade fora delas, onde demonstrava ser uma pessoa tímida e sempre preocupada com problemas sociais. Ayrton Senna faleceu durante o GP de San Marino, em Ímola, na Itália, num acidente ocorrido na fatídica curva Tamburello. Durante os treinos desse mesmo GP, Rubens Barrichello também sofreu um acidente relativamente grave e o piloto austríaco Roland Ratzenberger faleceu após um trágico acidente na curva Villeneuve. Um grande prêmio marcado por tragédias e que tiraria a vida de um dos maiores pilotos da história da Fórmula 1, homenageado e relembrado até ao dias atuais, não só no Brasil, mas também em todo o Mundo.Parte de sua fortuna foi utilizada para a criação do Instituto Ayrton Senna, com a finalidade de ajudar jovens carentes.

 

 

Escultura em bronze da artista Melinda Garcia, denominada “Velocidade, Alma, Emoção”, fixada na entrada do Túnel Ayrton Senna, localizado na cidade de São Paulo.

 

Até mais - Marcelo   



Escrito por Marcelo às 22h44
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




MUSAS DO ENCARNA – DREW BARRYMORE

 

 

Drew Blythe Barrymore (Califórnia, 22/02/1975), ganhou sua estrela na calçada da fama, localizada na Hollywood Boulevard, em 2004. Iniciou sua carreira no cinema em 1982, com o filme “ET – O Extraterrestre”, de Steven Spielberg. Participou de algumas grandes produções como “Batman Eternamente” e “As Panteras”, entre outros. Relatou suas experiências com drogas no livro Little Girl Lost. Foi namorada, durante cinco anos, de Fabrizio Moretti, baterista do grupo The Strokes e é madrinha de Frances Bean Cobain, filha de Coutney Love e Kurt Cobain, ex-Nirvana. Na minha modesta opinião, Drew não pode ser considerada como uma das maiores atrizes de Hollywood, mas seu carisma e seu rostinho de pin-up sempre me atraíram.

 

Marcelo





Escrito por Marcelo às 22h44
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CRÔNICAS DE ENCARNA

Brasil, mostra a tua cara!!!

 

São Paulo cresce pra baixo, cavando seus buracos

Rio de Janeiro flutua sobre o mar, com seus mitos e lendas

Rio Grande do Sul tenta se aquecer, querendo ser diferente de todos

Tocantins cheira à bala

Ceará toma banho de sol

Mato Grosso vende seus jacarés

Espírito Santo tenta provar que existe

Amazonas pede socorro

Pará exporta música, mexendo os cabelos

Minas Gerais continua comendo quieto

Acre quer ser lembrado

Sergipe quer ser um jipe

Paraná lembra seu café

Brasília segue mentindo

Goiás só tem Paulo Bayer

Bahia, sonolenta, pensa na rede

Santa Catarina segue bêbada, depois da festa alemã

Rio grande do Norte está muito ao norte:quase não saiu na foto

Pernambuco tira da lama sua inteligência

Bom, faltaram mais oito.... E daí????? Cansei.

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h43
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




GALERIA DAS ARTES – A VÊNUS DE MILO

 

Uma das esculturas mais famosas do mundo, A Vênus de Milo foi encontrada em 1820 na Ilha de Milo, localizada no Mar Egeu. Conta a história que, quando da sua localização, a Vênus encontrava-se partida ao meio, porém ainda possuía seus braços, mas sem as mãos, danificadas e separadas do corpo. Em uma de suas viagens, ela foi novamente danificada perdendo o que restava de seus membros e os fragmentos que sobraram foram descartados, acreditando-se, na época, tratar-se de alguma restauração não original. A obra foi, provavelmante, realizada por Alexandros de Antióquia, é feita em mármore, possui 203 cm de altura e data de cerca de 130 a.C. Foi presenteada ao Museu do Louvre em Paris pelo Rei da França Luis VIII, onde pode ser apreciada.

Até a próxima - Marcelo




Escrito por Marcelo às 22h43
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




LANÇAMENTO COMENTADO

RENATO RUSSO – O TROVADOR SOLITÁRIO (2008)

 

 

 

Este lançamento já foi citado aqui no blog, resenha escrita por Marcio, porém somente agora tive a oportunidade de escutá-lo. Como já foi dito anteriormente, trata-se de gravações caseiras feita pelo próprio Renato, entre 1978 e 1984 e, com exceção das faixas bônus “Que País é Este?” e “Summertime” (inéditas pelo menos para mim!), todo o restante do material já se encontrava disponível na Internet. Houve uma melhora significativa na qualidade sonora, com poucos momentos quase inaudíveis, sendo que estes se apresentam com maior intensidade na faixa de abertura do cd, “Dado Viciado”. Para os aficionados em Legião Urbana e Renato Russo, um item de grande valor, mas tenho a impressão de que ficaríamos mais felizes se realmente fosse lançado todo o material inédito da Legião Urbana, guardado a sete chaves e parte da confusão entre os ex-integrantes e a família de Renato – uma pena!

 

Marcelo

 

 

E já que falei em Renato Russo, aqui vai um

 

ARQUIVO X

 

Bastante interessante

 

 

Fico imaginando o “bom papo” que deve ter rolado, afinal os dois eram geniais! (Ou não! Como diria Caetano)

 

Até mais



Escrito por Marcelo às 22h43
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




HISTÓRIAS DE HISTÓRICOS

JAMES WARREN JONES – “JIM JONES”

 

A seita religiosa Templo do Povo ficou mundialmente conhecida no ano de 1978, após seus seguidores praticarem suicídio em massa, por envenenamento, em sua comunidade conhecida por Jonestown, localizada na Guiana – América do Sul. Tal comunidade foi fundada pelo líder religioso conhecido como Jim Jones (1931-1978), após sua seita ser perseguida pelas autoridades americanas, o que levou Jones e seus fiéis a se instalarem no meio da selva da citada Guiana.

Jonestown era uma comunidade auto-suficiente que vivia isolada do mundo e era formada basicamente por negros oprimidos e marginalizados vindos do Estados Unidos e que eram integrados ao grupo em troca de dinheiro ou propriedades, fato este que contribuiu para o aumento do império do pastor.

Os habitantes de Jonestown sofriam pesados castigos por parte de Jones, caso desejassem abandonar o local ou, de alguma forma, demonstrassem  deslealdade às regras estabelecidas, sequer podendo opinar sobre o assunto.

Junto às autoridades americanas começaram a surgir notícias dos acontecimentos em Jonestown, inclusive de orgias sexuais praticadas com crianças, e atendendo a solicitação de parte do eleitorado americano, o congressista Leo Ryan encaminhou-se para Jonestown, a fim de averiguar o que por lá se passava. Contudo, ao chegar ao local, o que encontrou foi uma comunidade que aparentava viver em tranquilidade, sendo que somente alguns dissidentes desejavam retornar aos EUA, o que foi permitido pelo líder religioso. Todavia este planejou uma emboscada para o congressista quando ele e os demais retornavam para a pista de pouso local, eliminando a todos.

Tal fato fez com que Jones percebesse que sua seita religiosa chegara ao fim e antes mesmo que as autoridades americanas pudessem tomar qualquer providência, determinou que todos os seus seguidores, em um último sermão, ingerissem um refresco que continha veneno, preferindo a suposta honra de morrer à rendição, fato este que culminou com a morte de 909 pessoas, entre crianças, jovens, adultos e idosos. Após o fato, Jim Jones também se suicidou, atirando contra a própria cabeça, pondo fim a uma história bizarra de sandices em nome da fé.  

No Brasil, Jim Jones serviu como inspiração para o humorista Chico Anysio criar seu personagem Tim Tones, através do qual “alfinetava” as seitas religiosas que enriquecem às custas da fé da população.

 

Imagem dos corpos amontodados ao redor do galpão em Jonestown

Até mais – Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h43
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




HUMOR

 

Em algum Hospital Geriátrico do futuro...

 

 

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h42
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CRÔNICAS DE ENCARNA – Visite a UTI mais próxima, a Língua Portuguesa está agonizando lá...

 

 

 

Primeiramente, sinto-me obrigado a iniciar este texto dizendo a todos que nunca fui e não pretendo ser o dono da verdade, ter sempre razão. Acontece que ultimamente tenho utilizado muito a internet, o que para mim havia deixado de ser um hábito, e um fato muito comum tem me deixado bastante descontente com a grande maioria de seus usuários, fato este que realmente não consigo compreender ou assimilar. Trata-se da forma cruel com que cada vez mais as pessoas têm abandonado a nossa língua, mesmo tendo a consciência da dificuldade de seu aprendizado. Não tenho nenhuma formação acadêmica, cursei somente até concluir o ensino médio, e pelo que me lembro bem, costumava não gostar das aulas de Língua Portuguesa, mas com o passar dos anos e com o bom hábito de procurar sempre ler algo, percebi que quando nos dispomos a escrever de forma correta, tal atitude nos trás uma satisfação pessoal e também satisfaz aqueles que leram ou lerão o texto escrito. Minha intenção aqui não é de criticar ninguém, é de apenas aconselhar a todos que procurem, na medida do possível, utilizar todos os recursos de nossa língua, abandonando de vez, por exemplo, o uso de abreviaturas, símbolos, sinais e afins, tão difundidos hoje nos meios de comunicação oferecidos pela rede mundial de computadores. Não se iluda que desta forma estará ganhando tempo, pelo contrário, estará sim desaprendendo tudo aquilo que você mesmo levou anos para compreender. Provavelmente este texto deva conter vários erros, mas sinto-me orgulhoso de procurar, de alguma forma, homenagear e utilizar nossa língua pátria.  

 

Até mais - Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h42
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TEMPLOS DA BOLA - (Edição nº 4)

ESTÁDIO JORNALISTA MARIO FILHO – MARACANÃ

 

 

 

Propriedade do Governo do Estado do Rio de Janeiro, o Maracanã foi inaugurado em 16/06/1950 e construído por determinação do Presidente Eurico Gaspar Dutra, visando a Copa do Mundo de 1950. Considerado por muitos anos o maior estádio do mundo, levou dois anos para ser finalizado.

 

Para o jogo de inauguração, foi realizada uma partida entre Seleção Carioca 1 x 3 Seleção Paulista e o primeiro gol marcado no estádio pertence a Didi, da Seleção Carioca

 

Na foto vemos Carlayle da Seleção Carioca autografando a bola do jogo e em pé está Didi, autor do primeiro gol.

 

Dentre suas inúmeras curiosidades, destaco:

 

Em sua construção foram utilizados mais de 500 mil sacos de cimento, que empilhados alcançariam a altura do Pão de Açúcar. A quantidade de ferro gasto daria para dar uma volta e meia ao redor do Planeta.

 

Maracanã é o nome de um pássaro menor que o papagaio e maior que o periquito.

 

O gol mais rápido marcado no Maracanã pertence a Gildo, atacante do Palmeiras, aos 8 segundos de jogo, na vitória sobre o Vasco em 1965.

 

Segundo a história, o gol mais fantástico marcado no estádio pertence a Pelé, contra o Fluminense, gol este que valeu uma placa no saguão do estádio – um verdadeiro “gol de placa”. Também foi no Maracanã que Pelé marcou seu milésimo gol, em 1969, e realizou sua despedida da Seleção em 1971.

 

Placa afixada no saguão do estádio em homenagem ao gol de Pelé.

 

Recorde de público: 183.341 pagantes, durante o jogo realizado em 1969 – Brasil 1 x 0 Paraguai, pelas eliminatórias da Copa de 70.

 

Em 1964, o jovem goleiro do Vasco, Marcelo, após um “frango monumental” e sob as vaias da torcida, encostou-se à trave e começou a chorar, pedido para ser substituído. Tal situação comoveu a torcida do Vasco e a do Flamengo, que passaram a aplaudir o goleiro enquanto este se dirigia ao vestiário, para nunca mais voltar ao futebol.

 

Existe no estádio a “Calçada da Fama”, que conta com marcas dos pés de grandes nomes do Futebol, como Pelé, Zico, Dinamite, Jairzinho entre outros.

 

Capacidade atual: 78.000 torcedores.

 

Maior goleada: Flamengo 12 x 2 São Cristóvão-RJ

 

 

Fora do mundo da bola foram realizados diversos e marcantes eventos, como por exemplo, a apresentação de Paul MacCartney em 1990, o espetáculo de Madonna em 1993, o show do Kiss em 1983, Sting em 1987 e Tina Turner em 1988. Contou também com a apresentação dos Rolling Stones, durante o Festival Hollywood Rock, em 1995, e foi palco da realização do Festival Rock in Rio II, em 1991, que contou com nomes como Judas Priest e Guns’n’Roses.

 

Estive no Maracanã em 1991, durante a apresentação do Guns’n’Roses e Faith No More, entre outros, no Rock in Rio II, e realmente fiquei impressionado com o tamanho do estádio, foi uma experiência única saber que estava presente no local onde se realizaram grandes momentos do futebol e da música. Um estádio que marca para aqueles que já estiveram em seu interior.

 

Até o próximo - Marcelo




Escrito por Marcelo às 22h42
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




DISCOTECA BÁSICA – BELCHIOR – ALUCINAÇÃO (1976)

 

 

 

Em Alucinação, Belchior desfila toda sua poesia, sempre atual em suas abordagens, apesar de terem sido feitas há mais de trinta anos. O disco, até os dias atuais, ainda serve como base para todas as coletâneas lançadas do artista. Traz temas relacionados com a indignação contra todo o sistema social, como podemos perceber em Apenas Um Rapaz Latino-Americano e Como Nossos Pais, além de também tocar em assuntos relacionados a problemas de discriminação, citados em Fotografia 3x4. A faixa título, em minha opinião, trata-se de uma verdadeira obra de arte, com uma visão até certo ponto pessimista da vida, porém realista e pragmática. É sem dúvida alguma uma das maiores obras de nossa música, mostrando um Belchior com os sentimentos à flor da pele e inspiradíssimo. Um trabalho que não merece ser ignorado e sim apreciado. OUÇA NO VOLUME MÁXIMO!

 

Faixas – Apenas Um Rapaz Latino-Americano – Velha Roupa Colorida – Como Nossos Pais – Sujeito de Sorte – Como o Diabo Gosta – Alucinação – Não Leve Flores – A Palo Seco – Fotografia 3x4 – Antes do Fim

 

Marcelo





Escrito por Marcelo às 22h41
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




F- INDY – HALL DA FAMA – TONY KANAAN

Nos mesmo moldes do Hall da Fama da F-1, abro espaço para os pilotos da Fórmula Indy.

  

 Antoine Rizkallah Kanaan Filho (31/12/1974), mais conhecido como Tony Kanaan,  iniciou sua carreira em competições de Kart, aos oito anos de idade, tornando-se cinco vezes Campeão Paulista e uma vez Campeão Brasileiro. Após uma breve passagem pela Fórmula Ford e Fórmula Chevrolet, mudou-se para a Europa tranferindo-se para o campeonato de Fórmula Opel. No ano de 1994, Kanaan dispotou a temporada da Fórmula Alfa Boxer, na Itália, conquistando o título. Aos 21 anos de idade já corria na Indy Lights, onde foi vencedor em 1997, pela extinta equipe Tasman.

 Após algumas temporadas, com boas colocações nas classificações finais dos campeonatos, em 2004 Tony sagrou-se Campeão Mundial de Fórmula Indy, correndo pela equipe Andretti Green, batendo recordes da categoria e completando as 3.305 voltas da temporada inteira. No ano seguinte foi Vice-Campeão.

Sou apreciador e assíduo telespectador da Formula Indy, sendo que Tony Kanaan é o piloto pelo qual torço e acredito que outros Títulos Mundias serão conquistados por ele. Outro detalhe, Tony é torcedor do São Paulo Futebol Clube, do qual também o sou.

 

Carro da Equipe Andretti Green em Sonoma 2008 – as faixas brancas no pneu indicavam que Kanaan fazia parte dos pilotos que brigavam pelo título.

 Até mais - Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h41
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




LITERATURA (INDICAÇÃO)

 

Fernando Tavares Sabino (1923-2004)

Para quem gosta de ler, é sempre prazeroso deparar-se com bons textos, quaisquer que sejam suas formas de apresentação: romance, conto, cordel, crônica, etc. Gosto muito de ler a última citada, ou seja, crônica, e há alguns dias lembrei-me (e reli um pouco) de um livro que trata deste tema, com vários autores, entre eles Fernando Sabino, escritor e cronista mineiro premiado, que empreende em seus textos boas doses de bom humor e inteligência, o que torna a leitura muito agradável. Diferentemente de contos, as crônicas se passam num momento único, num flash do cotidiano de uma ou mais personagens, desenvolvimento este que Sabino realizava com grande capacidade. A crônica é um texto tão agradável de ler que tem o poder de despertar a vontade de escrever. Citei aqui o escritor Fernando Sabino, porém existem grandes nomes como Carlos Drummond de Andrade, Rubem Braga, Paulo Mendes Campos, Stanislaw Ponte Preta, Ignácio de Loyola Brandão, entre outros, que realizaram grandes obras literárias e que, com certeza, podem proporcionar momentos de excelente leitura.

Algumas obras de Sabino: “O Homem Nu” (1960) – “ O Menino no Espelho” (1982) – “O Grande Mentecapto” (1979)

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h41
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




“ARTWORK DE PRIMEIRA”

ELOMAR – NA QUADRADA DAS ÁGUAS PERDIDAS – 1979

 

Obra marcante na carreira de Elomar, cancioneiro nordestino de pouco reconhecimento nacional, homem culto leitor de clássicos gregos e latinos, conhecedor do ciclo dos poetas e romances de cavalaria, mas que prefere viver no campo longe das grandes cidades e da grande mídia e traz em seu repertório textos que necessitam de todo um desenvolvimento crítico e interpretativo, de grande valor cultural e musical. A capa, óleo de Orlando Celino, retrata a triste cena de um retirante, que abandona o sertão e sua família atrás de uma melhor sorte. Melancólica, trata de um assunto recorrente no sertão de nosso País, onde famílias sobrevivem na maior das misérias, passando fome e sede, mas que mesmo assim mantêm sua fé e sua esperança em dias melhores, a despeito de todas suas necessidades.  Tente conhecê-lo!

 

 A obra completa, como podia ser vista na capa do vinil duplo.

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h41
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CLASSICS LIVE

Motörhaed – No Sleep ‘til Hammersmith (1981)

 

 

 

Primeiro álbum ao vivo do trio britânico formado por Lemmy Kilmister – baixo e vocal, Eddie Clarke - guitarra e Phil Taylor - bateria, foi lançado em 1981e conta com um repertório clássico. A despeito de seu nome, o grupo não tocou no Hammersmith Odeon na turnê que deu origem ao disco. Um trabalho visceral, como não poderia ser diferente em se tratando de Motörhead, que ganhou sua versão remasterizada, contendo três faixas que não faziam parte do lançamento original, dentre elas uma ótima versão de Train Kept A-Rollin’, que também foi regravada por Aerosmith e Led Zeppelin.

Um belo registro de toda energia que a banda demonstra em suas apresentações ao vivo. “Pauleira” do inicio ao fim! OUÇA NO VOLUME MÁXIMO!

 

Faixas: Ace of Spades – Stay Celan – Metropolis – The Hammer – Iron Horse/Born to Lose – No Class – Overkill – (We are) The Road Crew – Capricorn – Bomber – Motorhead – Over the Top – Capricorn – Train Kept A-Rollin”

 

 

Marcelo 



Escrito por Marcelo às 22h41
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




MAIS ALGUNS DESENHOS

 

 

Como eles vivem se “elogiando”...

 

 

 

Um pequeno dueto entre Caetano Veloso e Lobão

 

 

 

 

Reparem no Salva-vidas. Na antiga revista MAD diriam – No Words (Sem palavras)

 

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h40
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




UMA NOTA TRISTE, QUE EU NÃO GOSTARIA DE ESCREVER...

 

Mas vou utilizar este nosso espaço para prestar uma última homenagem a um amigo que partiu ontem, 06/10/2008. Hoje ao chegar ao meu trabalho fui surpreendido com a noticia de que Jorginho havia sido sepultado. Triste notícia. Mais triste ainda porque não tive como comparecer ao seu enterro, já que nem de longe poderia imaginar que tal fato havia ocorrido. Jorginho foi companheiro durante muitos anos no bar onde costumo freqüentar, sempre muito prestativo, alegre e presente. Imagino como vai ser estranho a partir de agora não ouvirmos mais sua voz, ter a sua presença junto a nós. Bastante mal tratado pela vida, sempre nos pedia: “paga uma pinga pra Jorginho”, porém, sempre bem humorado. Vá com Deus meu amigo, que Ele o abençoe onde você estiver. Fica a sua história junto à nossa, e tenho certeza, fica a saudade de todos aqueles que conviveram com você.

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h40
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




ARQUIVO DE SHOWS (MEMÓRIAS) 

 

THE RAMONES – OLYMPIA - 1996

 

 

Em 1996, a turnê dos Ramones intitulada “Adios Amigos!” passou por São Paulo. Esta foi a segunda apresentação da banda que presenciei, juntamente com meu irmão Márcio(o “chefão” aqui do ENCARNABLOG). Na época, a banda havia anunciado que esta seria sua última turnê, porém ninguém levava tal declaração muito a sério, devido à quantidade de bandas que vivem e sobrevivem de um eterno retorno. O show aconteceu no Olympia, casa de espetáculos que proporcionava uma proximidade muito grande do palco, tendo em vista o seu tamanho e, para mim, a melhor acústica que já presenciei. Os Ramones fizeram um show irrepreensível, com toda sua energia e rapidez. O público foi outro espetáculo à parte, parecendo a visão do alto mar, tamanhas eram as “ondas” que se formavam. Hoje, quando me recordo desse show me vem uma sensação estranha, nunca poderia imaginar que estava realmente presenciando a última apresentação do grupo aqui em nossas terras e que pouco tempo depois Joey e Johnny Ramone estariam mortos. Tenho sorte de ter participado desse momento. Gabba Gabba Hey! E viva os RAMONES.

 

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h40
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




GALERIA DAS ARTES

 

QUARTO EM ARLES (BEDROOM IN ARLES)

 

 

 

Obra do pintor holandês Vincent van Gogh (1853-1890), datada de 1888, no período em que residiu em Arles, na França. É um de seus quadros mais conhecidos e foi reproduzido mais duas vezes pelo próprio van Gogh. O quadro original atualmente está exposto no Museu van Gogh, localizado em Amsterdã, em sua terra natal. A segunda versão encontra-se no Instituto de Artes de Chicago e a terceira no Museu de Orsay, em Paris. Confeccionado em óleo sobre tela.

 

 

 

Segunda e terceira versões

 

 

Até a próxima - Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h40
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




VALE CONHECER – GALAXIE 500

 

 

 

Banda alternativa e cultuada dos anos 80, o grupo Galaxie 500 foi formado em 1987 na cidade americana de Boston pelo trio Dean Wareham, Damon Krukowski e Naomi Yang. Suas canções soam como atribuir “som a uma poesia”, com um instrumental melancólico e um vocal não menos que isso e melodias que nos remetem a um outro estado de espírito, um outro local, como um dia chuvoso ou uma bela paisagem. As composições contam com passagens incríveis de suaves guitarras, muito bem construídas. Com uma representativa, porém curta carreira, lançaram três álbuns, dissolvendo-se no inicio dos anos 90. Suas influências vão desde Velvet Underground a Joy Divison. Galaxie 500 é uma daquelas bandas que não podemos deixar de conhecer e sua discografia pode ser encontrada em versão nacional, inclusive o disco gravado apenas por Damon e Naomi. Ouça-os e desfrute de agradáveis momentos!

 

Discografia:

 

 

 

Na seqüência: Today (1988) – On Fire (1989) – This Is Our Music (1990) – Copenhagen (Live, 1990) – Uncollected (rarities, 2004) – Peel Sessions (2005)

 

 

Até mais - Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h39
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TALENTO APENAS?

 

ANGELO PASTORELLO

 

 

 

Angelo Pastorello (baixo) fez/faz parte da formação original da banda VIOLETA DE OUTONO, juntamente com Fabio Golfetti (guitarra e voz) e Cláudio Souza (bateria). Em minha opinião, Pastorello é um dos melhores baixistas do rock nacional, apesar de seu grupo não ter alcançado o estrelato na mesma proporção de outras bandas contemporâneas à sua época. Com fortíssimas influências de rock progressivo, o grupo realizou e realiza trabalhos excepcionais, com uma instrumentação de alto nível e melodias lisérgicas. Sua desenvoltura e técnica na realização das composições sempre me atraíram e merecem destaque. Paralelamente a musica, Angelo Pastorello desenvolve um vasto trabalho como fotógrafo profissional, atuando em várias áreas e sempre com grande competência. A banda Violeta de Outono figura entre as minhas prediletas dos anos 80, principalmente pelo grande talento de seus integrantes.

 

Alguns trabalhos do “fotógrafo” Angelo Pastorello

 

 

 

Visitem seu site oficial e apreciem belas fotografias: www.angelopastorello.com.br 

 

Até mais - Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h39
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CRÔNICAS DE ENCARNA – Aos que se deixam conduzir

 

“- Você se lembra quem descobriu o Brasil, não lembra?”

“- Brasil? Onde fica esse lugar?”

 

A falta de percepção leva à alienação, que faz com que o ser humano seja tratado como gado, verdadeiras “vacas de presépio”, ou pior ainda, seja desprezado ou descartado, já que não tem nada a oferecer e/ou contestar. Realmente impressionante e contraditório que nos dias atuais, em que a informação praticamente bate à sua porta, existam pessoas que parecem não perceber nada que acontece ao sue redor, vivendo em um universo paralelo, aceitando tudo que lhes é imposto, baseando suas vidas em frases feitas encontradas em revistas semanais vendidas em bancas de jornal.

Atitudes como as de não assimilar o que está acontecendo com seu próximo (e esse próximo realmente pode estar bem perto!) fazem com que o indivíduo que adote tal postura se torne mal quisto, dispensável e extremamente desagradável.

Não faça parte desse universo, procure sempre estar atualizado com tudo, seja no meio social, familiar, profissional ou qualquer outro em que se encontre. Como disse Jimi Hendrix, faça com que cada fio de cabelo de sua cabeça funcione como uma antena voltada para o universo. Exercite a capacidade da percepção, abra todas as portas, fale, ouça, se preciso grite, mas não faça parte do rebanho!

“Antene-se” e passe a enxergar a realidade por um outro prisma, só assim quem sabe um dia o ser humano realmente comece sua evolução.

 

Marcelo




Escrito por Marcelo às 22h39
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CURIOSIDADES

 

A LEI DE MURPHY

 

Eventualmente quando me deparo com algum texto que trata dessa lei, sempre tenho a impressão de que se trata de um mau humor muito bem humorado. Criada por Edward Murphy, tenente da Força Aérea Americana, em um momento de contratempo.

Algumas de suas leis:

 

-Se alguma coisa pode dar errado, dará;

-Todo corpo mergulhado em uma banheira faz tocar o telefone;

-A informação mais necessária é sempre a menos disponível;

-A fila do lado sempre anda mais rápido;

-Se está escrito tamanho único, é porque não serve em ninguém;

-Se a experiência funcionou na primeira tentativa, tem algo errado.

 

Interessante! Às vezes parece que tais leis têm sempre razão...

 

 

 

AS NOVAS SETE MARAVILHAS DA ERA MODERNA

 

Muito difundido o fato de que o Cristo Redentor, localizado no Rio de Janeiro, faz parte das novas Sete Maravilhas da Humanidade. Contudo, confesso a todos que na época não dei muita atenção ao acontecimento, mas reconheço que se trata de um assunto bastante interessante.

As antigas Sete Maravilhas foram escolhidas pelos gregos, porém sua origem continua sendo um mistério. Em 2001 foi criada a “New 7 Wonders Foundation”, que anunciou em 07/07/07 as eleitas novas maravilhas. São elas:

 

O Cristo Redentor – Brasil

A Grande Muralha – China

Petra- Jordânia

Machu Picchu – Peru

Pirâmide Chichén Itzá – México

Coliseu de Roma – Itália

Taj Mahal – Índia

 

As fotos abaixo estão dispostas de acordo com a lista acima, e podem ser apreciadas em maior tamanho em vários sítios pela Internet. Confiram!

 

 

 

Das antigas Sete Maravilhas, que eram compostas por: Farol da Alexandria, Templo de Ártemis, o Colosso de Rhodes, os Jardins Suspensos da Babilônia, Mausoléu de Halicarnasso, as Pirâmides do Egito e a Estátua de Zeus, somente as Pirâmides podem ser apreciadas até os dias atuais.

 

 

 

Não há dúvida quanto à beleza das obras, mesmo que, em alguns casos, realizadas perdendo-se vidas humanas.

 

 

 

A DONZELA DE FERRO

 

 

 

Ou dama de ferro era um instrumento de tortura utilizado na Idade Média. Muito parecido com um sarcófago, continha um rosto de mulher beatificada, onde os prisioneiros, adúlteras, jovens e viúvas não castas e suspeitos de bruxaria eram colocados para sofrerem até a morte. Seu interior continha espinhos afiados que, acredita-se, eram desmontáveis e ajustados para que se pudesse controlar a intensidade da tortura. Devido à largura de sua estrutura, não era possível ouvir os gritos e gemidos dos torturados. Uma verdadeira barbarie!

 

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h39
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




DICA DE DVD

 

Ney Matogrosso Interpreta Cartola Ao Vivo (2003)

 

 

 

Neste DVD Ney Matogrosso faz uma linda homenagem ao cantor e compositor Cartola, interpretando seus clássicos e músicas menos conhecidas do grande público. Com um belíssimo visual e um excelente acabamento, o DVD registra a apresentação realizada em Florianópolis - SC em 2002 e conta ainda com um pequeno documentário no final. Aos amantes da boa MPB, um título que certamente irá agradar! Algumas canções presentes: O Mundo é um Moinho, Desfigurado, Senões, O Sol Nascerá, As Roas não Falam, entre outras.

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h38
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




DISCOTECA BÁSICA

 

ROLLING STONES – STICKY FINGERS (1971)

 

 

 

Este é sem dúvida um dos trabalhos mais importantes na carreira dos Rolling Stones. Trata-se do décimo quinto álbum da banda, onde os Stones após flertarem com a psicodelia, voltam ao rock’n’roll e ao blues. Contém vários clássicos executados até os dias atuais em seus shows e pelas rádios mundo afora, como por exemplo, Brown Sugar, Wild Horses e Sister Morphine, que trata de forma poética o vício nela citado. Neste álbum Mick Taylor estréia oficialmente como membro da banda, substituindo Brian Jones. A arte da capa foi concebida e executada por Andy Warhol, artista plástico ícone da arte pop e em sua versão original trazia realmente um zíper que podia ser aberto. Com a criação da Rolling Stones Records, foi desenvolvida a famosa língua dos Stones, que aparece pela primeira vez neste álbum. A criação de tal logo foi, na época, também atribuída a Warhol, porém em 1997, depois de anos de mistério, foi confirmada como sendo de John Pasch e segundo o próprio Keith Richards foi inspirado na deusa hindu Khali. É certamente item obrigatório na coleção daqueles que apreciam música de qualidade!

 

Faixas: Brown Sugar – Sway – Wild Horses – Can’t Your Her Me Knocking – You Gotta Move – Bitch – I Got the Blues – Sister Morphine – Dead Flowers – Moonlight Mile

 

 

Acima podemos conferir a versão original do LP que trazia o zíper na capa

 

Versão espanhola

 

 

  Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h38
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




FOTOS E FATOS

 

Acatando a sugestão de Márcio – o chefão, dedicaremos este espaço a fotos marcantes de acontecimentos em geral, e nada melhor para começar do que prestando uma homenagem à nossa Cidade de São Paulo, que vive em constante mutação.

 

CONSTRUÇÃO DA CATEDRAL DA SÉ

 

 

 

 

Nestas fotos podemos observar a Catedral em construção. Notem que a Praça de hoje já foi um grande estacionamento e que a cidade já naquela época apresentava o caos que persiste até hoje (na segunda foto a Catedral encontra-se à direita, ao fundo).

 

Um pouco da história da Catedral: localizada no marco zero da Cidade de São Paulo, a Catedral da Sé foi erigida no lugar da primeira Igreja Matriz da cidade, esta demolida em 1911. Foi inaugurada durante as comemorações do Quarto Centenário de São Paulo, em 1954, e levou 41 anos para ser construída.

 

Até as próximas - Marcelo 



Escrito por Marcelo às 22h38
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




HISTÓRIAS DE HISTÓRICOS

 

Fica aqui o convite para falarmos sobre grandes personalidades da história, nacionais ou não, contemporâneas ou não, em forma de biografia, crônica, ponto de vista ou da forma que desejarmos. (Ah! Caso não aprovem, sugestões acerca do nome deste espaço serão bem vindas).

 

VLADIMIR HERZOG (1937-1975)

 

 

 

Era o ano de 1975 e o Brasil vivia sob a ditadura militar. No estado de São Paulo, os opositores do regime ditatorial eram levados ao Departamento de Operações e Centro de Operações de Defesa Interna, o temido DÓI-CODI do II Exército. O jornalista VLADIMIR HERZOG, 38 anos e diretor de jornalismo da Rede Cultura, foi convocado a prestar esclarecimentos no referido órgão sobre sua suposta ligação com o Partido Comunista. Apresentou-se e nunca mais voltou. Torturado, foi vítima de espancamentos, afogamento, choques elétricos e faleceu vítima de asfixia nas dependências do já citado órgão.

 

Tal crime iniciou uma onda de protestos que levou a uma série de mudanças na ditadura e é considerado o estopim do afrouxamento do regime. Preocupados com a repercussão do caso, seus torturadores forjaram uma cena grotesca de suicídio e apresentaram uma foto do jornalista enforcado com seu próprio cinto no interior de sua cela. Um dos fatores que desmentia a versão oficial era o fato de que os presos não podiam permanecer com seus cintos, justamente para evitar que fossem utilizados com arma. Essa não foi a primeira morte por “suicídio” sob tortura, mas na época a sociedade civil rejeitou a versão do governo. Herzog não foi enterrado na área reservada a suicidas no cemitério, recebendo todas as homenagens da comunidade judaica a qual pertencia. Foi realizado um culto ecumênico na Catedral da Sé, em São Paulo, em memória a Vladimir Herzog, com a presença de cerca de 80 mil pessoas.

 

 

Foto apresentada pelos torturadores do jornalista

 

A mobilização acirrou as divergências entre os militares, culminando com a substituição do General Ednardo D’Ávilla Mello, então comandante do II Exército.

 

A partir daí, a mobilização social não parou de crescer. A luta pela abertura política era articulada por diversas entidades como a OAB e a União Nacional dos Estudantes – UNE, além de diversos setores sociais. Em 1978, a Justiça condenou a União pela tortura e morte de Herzog, porém, somente em 1996 durante o governo FHC, a família de Herzog e de todos os presos políticos assassinados sob custódia do Estado tiveram reconhecido seu direito a indenização.

 

Lamentável que um país como o nosso, detentor de um grande potencial, tenha vivido períodos como este.

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h37
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O GRITO (THE SCREAM)

 

 

 

Uma das obras mais reproduzidas no mundo foi concebida em 1893, em três versões, por Edvard Munch (Noruega 1863-1944), que teve em sua vida uma tendência quase patológica a angústia, que o levou a trabalhar cada vez mais isolado e expressar isso em suas gravuras. A versão que se encontrava no museu de Oslo, em sua terra natal foi roubada e está avaliada em aproximadamente R$ 228 milhões de reais. É pintada sobre madeira e não sobre tela.

 

Até a próxima - Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h37
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TALENTO APENAS? ... NÃO, GENIALIDADE!

 

 Temos o hábito de geralmente comentarmos sobre discos em si, sejam eles lançamentos ou básicos, e com este espaço pretendo que todos nós falemos um pouco sobre nossos músicos prediletos, já que este assunto é sempre recorrente em nossas reuniões (aqui no blog Carlinhos já fez mais ou menos isto comentando sobre os guitarristas do Kiss). Espero que todos possamos expressar aqui nossa admiração por vários e vários músicos, quer sejam nacionais ou não, do mundo do rock ou não. Bom divertimento a todos, e para começar:

 

BILL BRUFORD

 

 

 

Willian Scott Bruford (17/05/1949) é membro fundador do grupo Yes, participando do período compreendido entre 1968-1972, destacando-se para mim o disco “Close to the Edge”, o qual ouvi inúmeras vezes. Porém, seu melhor período pode ser considerado junto ao King Crimson, onde gravou álbuns clássicos como por exemplo "Red" e “Lark’s Tongues in Aspic” . Seu estilo original, seu talento, técnica e sua leveza ao tocar faz dele um dos maiores bateristas da música, merecendo todas as homenagens. Participou também das bandas National Health, Gong e Gênesis, além de seu projeto Earthworks, onde toca jazz. Não posso me considerar em profundo conhecedor de sua obra, pois ainda há vários discos a serem descobertos, mas posso sim me considerar um profundo admirador de seu estilo único de tocar este maravilhoso instrumento que é a bateria.  

 

Até o próximo - Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h37
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Cinema & Vídeo – Narradores de Javé (2003)

 

 Mais uma divertida e premiada produção do cinema nacional, Narradores de Javé foi dirigido por Eliane Caffé e rodado em Gameleira da Lapa, interior da Bahia. Conta a história de uma cidade que deverá ser inundada pelas águas de uma represa, sendo que seus moradores não possuem registro das terras e sequer foram notificados do fato. A única solução seria transformar Javé em patrimônio histórico de valor comprovado em “documento científico”, daí começa toda a confusão com a narrativa de histórias hilariantes e confusas por parte dos moradores do local, cabendo ao carteiro a tarefa de desenvolver tal documento. O filme conta com a participação de moradores de Gameleira da Lapa e com interpretações sensacionais dos atores do elenco, dentre os quais destacam-se José Dumont, Gero Camilo, Nelson Xavier e Matheus Nachtergaele. Vale conferir, pois o filme proporciona bons e divertidos momentos.

Até mais - Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h37
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




F-1 – HALL DA FAMA – NIKI LAUDA 

 

O austríaco Andreas Nikolaus Lauda, ou simplesmente Niki Lauda (Viena - 22/02/1949) participou dos campeonatos mundiais entre 1971 e 1979 e entre 1982 e 1985, disputando 177 Grandes Prêmios, obtendo 25 vitórias e 24 pole positions. É três vezes campeão mundial – 1975, 1977 e 1984 – pilotou carros das equipes March, BRM, Ferrari, Brabham e McLaren.

 

Niki Lauda e sua Ferrari durante os treinos livres no autódromo de  Nürburgring, em 1976

O grande marco em sua carreira foi o acidente sofrido em 1976 durante o Grande Prêmio da Alemanha em Nürburgring, quando sua Ferrari derrapou na pista e bateu no guard-rail, incendiando-se em seguida. Niki foi retirado do carro com o auxilio de outros pilotos e levado ao hospital já inconsciente, fato este que deixou profundas marcas em seu rosto. Um padre foi chamado ao hospital para lhe dar a extrema unção, porém, contrariando as expectativas Lauda voltou a correr naquele mesmo ano, perdendo o título mundial somente nas últimas corridas. Sem dúvida alguma um dos grandes pilotos da história da Fórmula 1, sendo um exemplo de superação e determinação.

 

 Pouco tempo após o acidente, que consumiu parte de sua orelha e deixou sequelas em sua face

Até mais - Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h36
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CRAQUE DA BOLA – DADÁ MARAVILHA

 

Dario José dos Santos, mais conhecido como Dadá Maravilha, nasceu no Rio de Janeiro, no dia 04/03/1946. Sua infância foi muito pobre nos subúrbios cariocas. Em razão de um furto, foi parar na Febem, onde começou a praticar o futebol. Em 1968 foi levado para o Clube Atlético Mineiro, onde alcançou a fama, destacando-se na conquista do Campeontato Brasileiro de 1971. Dario parou no ar como um beija-flor no dia 9/12, fazendo o gol da vitória sobre o Botafogo e sagrando-se campeão sob o comando do mestre Telê Santana. Talvez um dos primeiros jogadores a fazer o estilo extrovertido, Dadá é dono de frases antológicas, como por exemplo "Não venha com a problemática que eu dou a solucionática", "Me diz o nome de três coisas que param no ar: beija-flor, helicóptero e Dadá Maravilha", "Isso é mamão com açúcar" ou ainda "Não existe gol feio. Feio é não fazer gol.".

Atuou em mais de 16 clubes e é o terceiro maior artilheiro do futebol brasileiro, com 926 gols, perdendo apenas para Romário com 1002 gole e Pelé com 1284.

Algumas curiosidades:

Contratado pelo Internacional pelo valor de Cr$ 500 mil em 1976 – uma fortuna na época – em sua estréia num amistoso contra o Bento Gonçalves, seu passe foi quitado com o dinheiro da renda da partida, tamanho o público que compareceu;

Atuando pelo Sport Recife, Dario marcou 10 gols dos 14 marcados contra o Santo amaro, superando Pelé e Jorge Mendonça, que marcaram 8 gols em uma mesma partida;

Foi o único jogador da história a ser convocado por um Presidente da República (Garrastazu Médici) para fazer parte da Seleção Brasileira, fato que acarretou na demissão do técnico João Saldanha, substituído por Zagallo antes da Copa de 1970

Ganhou mais de vinte títulos entre estaduais e torneios internacionais, destacando-se o título de Campeão Mundial em 1970 com a Seleção, Campeão Brasileiro em 1971 pelo Atlético Mineiro e 1976 pelo Intenacional na vitória por 2 a 0 sobre o Corinthians. Hoje atua como comentarista esportivo em Minas Gerais.

 Até mais - Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h36
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




MUSAS DO ENCARNA - RENATA FAN

 

 

 

A bela Renata Bonfiglio Fan nasceu em Santo Ângelo – RS em 05/07/1977. Foi eleita Miss Brasil em 1999. É formada em Direito e Jornalismo. Atualmente apresenta o programa esportivo diário Jogo Aberto pela Rede Bandeirantes. Criticada por muitos e elogiadas por outros, é em minha opinião a melhor apresentadora feminina nesse seguimento. Torcedora incondicional do Internacional, também aprecia boa música e entre seus artistas preferidos destacam-se Frank Sinatra, Eric Clapton, Norah Jones, U2 e Maná.

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h36
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CURIOSIDADE:

 

THE IRON MAIDENS – THE WORLD’S ONLY FEMALE TRIBUTE TO IRON MAIDEN (2005)

 

 

 

Não costumo “dar muita bola” para discos-tributo, apesar de gostar bastante quando uma grande banda faz cover de outra, mas este disco em especial me chamou a atenção por alguns detalhes: primeiro porque a banda é formada somente por mulheres (americanas da Califórnia), segundo porque a capa foi concebida por Derek Riggs, desenhista oficial das melhores capas do Iron (sua assinatura está bem visível na capa, ao contrário do que acontecia no Maiden) e terceiro porque foi permitido criar uma versão feminina do mascote Eddie, que recebeu o nome de GRIMREAPER e só este fato em si já é curioso, visto que Eddie é um ícone dentro do rock e a banda permitir que outra também tenha uma mascote em seus moldes para mim seria inimaginável. No site oficial das The Iron Maidens é possível verificar que a imagem de Eddie é utilizada em camisetas e outros produtos da banda, o que não acontece com outras bandas covers. Pelo que parece o projeto vai longe, já que elas acabam de lançar um disco ao vivo e um DVD com o registro do show e como podemos ver na foto abaixo, conta com o apoio do “chefão” Steve Harris.

Sobre o disco: o repertório é baseado totalmente em clássicos do anos 80. A banda executa muito bem (podem acreditar) as músicas, a afinação dos instrumentos está muito próxima das afinações originais, o que torna sua audição agradável. Faço uma ressalva apenas para os vocais, que não são mal executados, mas a voz da cantora não me agradou muito em determinados momentos. Se for ouvido sem maiores pretensões, não se trata de um disco ruim.

 

Faixas: The Number of the Beast - 2 Minutes to Midnight – Children of the Damned – The Trooper – Wasted Years – Killers – Aces High – Phantom of the Opera – Run to the Hills – Hallowed Be Thy Name – Remember Tomorrow

 

 

O “ditador” Steve Harris e seus novos xodós...

 

 

Em sua segunda versão GRIMREAPER ganhou formas mais femininas.

 

 Até mais - Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h36
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




BELOS INSTRUMENTOS QUE FALAM POR SI SÓ...

 

 

A Fender de Mark Knopfler – Dire Straits

 

 

Kit de John Bonham (essa “apanhou” bastante!) – Led Zeppelin

 

 

Flying V de Rudolph Schenker – Scorpions

 

 

Inconfundível Gibson de Matthias Jabs – Scorpions

 

 

A bela Lucille da lenda B.B. King (uma que vi bem de perto)

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h35
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




“ARTWORK DE PRIMEIRA” & DISCOTECA BÁSICA

 

PAULINHO DA VIOLA – NERVOS DE AÇO (1973)

 

 

 

Como não poderia deixar de ser, dedico esta resenha ao meu amigo “Pedrão”, que mesmo apesar de às vezes ficarmos um tempo sem contato, nunca deixou de estar em alta conta e sabiamente me apresentou o grande artista Paulinho da Viola.

 

“ARTWORK DE PRIMEIRA”: A capa foi concebida por Elifas Andreato (que desenhou inúmeras capas para a música nacional), talvez o mais importante artista gráfico do país, possuidor de uma trajetória única dentro de nossas artes: saído de uma condição miserável no interior do Paraná, conviveu com o analfabetismo até a adolescência, foi operário e militante perseguido pela ditadura. Sem instrução formal tornou-se referência no meio intelectual e artístico do Brasil e chegou a ser professor de Artes na USP. Ele próprio considera este trabalho como a capa mais marcante que produziu. Na época o compositor Ronaldo Bôscoli escreveu pedindo que recolhessem os discos, achando que aquilo devassava a vida sentimental de Paulinho e que era uma invasão à privacidade do artista. Sem dúvida alguma uma obra merecedora de destaque por sua beleza, sentimentalismo e importância dentro do contexto de desenvolvimento de capas a partir de então.  

 

DISCOTECA BÁSICA: Com composições de Carlos Cachaça, Cartola, Chico Buarque, Lupicinio Rodrigues, entre outros, além de é claro, do próprio Paulinho, Nervos de Aço pode ser considerado como um de seus melhores trabalhos. Paulinho trata de sentimentos como desilusão, ciúme, desencontros amorosos entre outros como ninguém. O repertório é, no mínimo, especial, contando com “Comprimido” (uma das minhas prediletas) que narra a tristeza trágica de um marido desiludido e suicida, prendendo a atenção de quem a ouve. “Nervos de Aço”, mesmo não sendo de sua autoria, ganha com Paulinho da Viola sua versão definitiva. “Não Quero Mais Amar a Ninguém” de Cartola é cantada com maestria. Há ainda a bem humorada “Nega Luzia” e “Sonho de Carnaval” que possui um arranjo sensacional. Aos apreciadores do verdadeiro samba este disco é um “prato cheio”. Aos que não apreciam, estas gravações tornam a iniciação um verdadeiro prazer. Vale conferir. OUÇA NO VOLUME MÁXIMO!

 

Faixas: Sentimentos – Comprimido – Não Leve a Mal – Nervos de Aço – Roendo as Unhas – Não Quero Mais Amar a Ninguém – Nega Luzia – Cidade Submersa – Sonho de Carnaval – Choro Negro

 

Até mais – Marcelo

 

  

E PARA COMPLETAR...

 

 

 Uma caricatura do “Príncipe do Samba”

 

 Marcelo – (P.S. – não adianta remeter que eu não vou abrir cartas com Antraz!)



Escrito por Marcelo às 22h35
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




HOMENAGEM AO MEU TESOURO

 

Uma longa noite, que precedeu o mais longo dos dias, que precedeu a mais longa e chuvosa das noites, que precedeu a mais longa e chuvosa das manhãs. Parece insanidade? Não se trata disso. Trata-se sim de uma lembrança triste, mas lembrança esta que faço questão de carregar bem guardada em meu peito. Horas angustiantes que passei ao lado de um Tesouro que brevemente veio me visitar e rapidamente se foi, deixando aberto um corte em minh’alma que jamais se fechará. Cumpriu sua missão, curta, mas profunda e demasiadamente significativa. Tesouro que não pode mostrar seu esplendor em toda sua intensidade, mas que carregava consigo uma luz intensa que pude enxergar, que encandeou tudo ao seu redor e até hoje às vezes me cega, misturada às lágrimas que inundam meus olhos. No exato momento em que brilharia para o mundo, dia e hora marcados, ironicamente, foi o momento em que definitivamente não pode mais brilhar. Nasceu ao contrário, mas carregou a cura junto de si e “sarou” o que era necessário. Hoje vive junto às estrelas, que é o seu lugar!

 

Em minha lembrança, em minha existência... SARA.

 

Marcelo (Obrigado Fernando pela inspiração!)



Escrito por Marcelo às 22h34
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Cinema & Video: Homem de Ferro (2008)

 

 

Essa é para quem gosta de filmes de super-heróis. A Marvel Comics, detentora de um universo fantástico de heróis, parece não ter acertado na maioria de suas empreitadas cinematográficas (vide o Incrível Hulk, Demolidor e o Justiceiro, por exemplo, personagens com um enorme potencial, porém mal explorados em seus respectivos filmes). Contudo, há exceções e excelentes histórias como as trilogias do Homem-Aranha e X-Men bem como as aventuras do Quarteto Fantástico. A principio, se não ocorrerem mudanças de planos por parte da Marvel, esta aventura do Homem de Ferro trata-se da primeira parte de uma também trilogia, sendo que neste primeiro filme o enredo não é dos mais complicados, com uma história até um tanto quanto comum, mas com um bom desenvolvimento do enredo, com pitadas de humor, humanidade, situações românticas e rock’n’roll, tornando a diversão garantida. Merece destaque especial o trabalho gráfico desenvolvido para as armaduras em si, deixando belíssima principalmente a segunda construída por Tony Stark (Robert Downey Jr). Entretenimento na certa!

 

 

 

Destaques no elenco para: Robert Downey Jr., Jeff Bridges e Gwyneth Paltrow

 

 

 

Até mais - Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h34
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




“ARTWORK DE PRIMEIRA”

 

KING CRIMSON – IN THE COURT OF THE CRIMSON KING (1969)

 

 

 

Engraçado como determinadas imagens nos acompanham por toda vida. Trata-se de uma velha conhecida a capa deste disco. Não me recordo o ano, mas sei que faz muito tempo, havia um quadro que me parecia enorme na parede do quarto que pertencia aos meus tios na casa de minha avó. Até então eu não sabia do que se tratava, mas sempre achava muito bacana o desenho, sempre me chamando muito a atenção. Hoje sei tratar-se de um clássico do King Crimson (as belas 21 st Century... e I Talk to the Wind já valem o disco). Foi pintada por Barry Godber (1946-1970), falecido aos 24 anos, vitima de enfarto pouco tempo depois do lançamento do disco. Mais uma obra de arte que merece espaço nesta nossa sessão.

 

 

Até mais – Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h34
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




VIAGEM NO TEMPO – UMA VERDADEIRA “VIAGEM”

 

Há alguns dias atrás assisti uma nova reportagem sobre viagem no tempo. É engraçado que desde Einstein até os dias atuais a ciência estuda esta possibilidade. Fiquei imaginando o tempo e o dinheiro gasto com tal estudo. Cientistas malucos? Visionários? Quem sabe. O fato é que eles continuam a estudar os buracos negros, as curvas do tempo, o movimento maior que a velocidade da luz e tantas outras sandices ou hipóteses. Ao acompanhar a matéria acabei “viajando” também e cheguei a três situações: Que fato histórico gostaria de presenciar? Que show gostaria de estar presente? Que personalidade gostaria de conhecer? Maluquice, mas aí vão as respostas:

 

O fato histórico: Se fosse possível, gostaria de presenciar a queda do império nazista. É fato histórico que Hitler não foi o único e nem o ditador que mais assassinou pessoas, mas um fato muito marcante durante os anos em que esteve no poder foi a crueldade com que cometia seus assassinatos, câmaras de gás, fornos crematórios, experiências de laboratórios com cobaias humanas, enfim, todo tipo de atrocidades inimagináveis. Por motivos dessa natureza é que imagino o alívio e a glória no momento em que os nazistas foram definitivamente derrotados, colocando um fim no holocausto e na guerra tão desnecessária.

 

O show: É sabido por todos nós que já tivemos acesso a materiais gravados ao vivo durante shows do Led Zeppelin que a banda nem sempre se apresentava de maneira espetacular. Muitas apresentações são cansativas, extensas, cheias de solos intermináveis tanto de Bonham quanto de Page. E não estou aqui pura e simplesmente criticando o Led Zeppelin, mesmo porque é uma das minhas bandas de cabeceira. Contudo, a apresentação em EARLS COURT, em 1975, inédita até o lançamento de LED ZEPPELIN – DVD (2003), realmente pode ser classificada como fantástica. A banda está no auge de sua carreira, todos estão tocando “monstruosidades”, as versões são bem executadas, fiéis às originais. Realmente um show que gostaria de estar na “primeira fila” e conferir o Led Zeppelin em toda sua grandeza!

 

A personalidade: Essa seria mais por curiosidade. A lenda que Robert Johnson vendeu sua alma em troca do sucesso persiste até hoje. Lenda? Impossível saber, mas o fato é que ele após um tempo desaparecido reapareceu tocando violão, fazendo seus blues como poucos em sua época. Daí minha vontade de estar presente naqueles dias e quem sabe presenciar os acontecimentos verdadeiros, já que sua história parece coisa de cinema, mas realmente aconteceu.

 

E vocês? Onde gostariam de estar? Que show gostariam de presenciar? Que personalidade conhecer?

 

Até mais – Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h34
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TEMPLOS DA BOLA - (Edição nº 3)

 ESTÁDIO BRINCO DE OURO DA PRINCESA

 

 

O Estádio Brinco de Ouro da Princesa, localizado na Cidade de Campinas - SP, inaugurado em 31 de maio de 1953, foi construído a partir de arrecadações feitas pelos próprios torcedores.

 

O arquiteto responsável foi Ícaro Castro de Melo, o mesmo que projetou o Maracanã.

 

O Jornalista João Caetano Monteiro Filho ao ver uma foto da maquete do estádio comparou-a a um brinco. Como Campinas era conhecida na época como a “Princesa D’oeste”, em alusão criou a expressão: O brinco de ouro para a “Princesa”, a partir de então não houve mais dúvida em relação ao nome a ser dado para a futura construção.

 

 

Foto de sua construção ainda sem o tobogã, situação que permaneceria até o ano de 1978.

 

Para sua inauguração foram realizados dois amistosos, oportunidades em que o Guarani venceu o Palmeiras por 3 x 1 e o Fluminense por 1 x 0.

 

Somente após o título brasileiro de 1978 o estádio foi ampliado, com a construção do Tobogã, aumentando em média mais 15.000 lugares.

 

Segundo a CBF, o estádio tem capacidade para 40.000 pessoas. O recorde de público aconteceu em 1982 na partida entre Guarani 2 x 3 Flamengo, com público registrado de 52.000 torcedores.

 

O estádio recebeu a Seleção Brasileira em duas oportunidades: durante sua preparação para a Copa do Mundo de 1966 e em 1990 em um amistoso contra a Bulgária, com placar de 2 x 1 para o Brasil.

 

Recentemente o estádio quase foi vendido devido a crise financeira que atravessa o Guarani, fato que não ocorreu, para o bem do futebol.

 

Até o próximo!

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h33
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




“TÁ ROLANDO” NO MEU MP3LENINE – ACÚSTICO MTV (2006)

 

 

 

Mais uma vez este disco vem parar no meu MP3. Lenine é um compositor que consegue mesclar em sua obra os ritmos nordestinos, o pop e o rock com uma grande coerência, sem dúvida um grande cancioneiro de nossa música popular brasileira. Quando do seu lançamento em 2006 este acústico já me chamou a atenção pelo seu formato muito parecido com um show comum, sem as “breguices” que a MTV às vezes consegue empreender em seus acústicos. Lenine conta com a banda que o acompanha há vários anos, formada por Jr. Tostoi (guitarra), Guila (baixo) e Pantico Rocha (bateria), músicos excepcionais com destaque para este último, que impressionou até Igor Cavalera durante sua participação na gravação da faixa “Dois Olhos Negros”. O registro do show e sua mixagem foram, em minha opinião, muito bem realizados valorizando os arranjos e as melodias, tornando a audição do disco algo realmente prazeroso.  Tive a oportunidade de assistir este show ao vivo, numa situação em que fiquei praticamente na “segunda fila” dos espectadores e garanto a todos, foi um dos melhores shows nacionais que já assisti e se já gostava de Lenine e do seu acústico, saí com a certeza de que tinha presenciado um grande momento de nossa música. Vale a pena conferir!

 

Marcelo




Escrito por Marcelo às 22h33
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CLASSICS LIVE

 

THE CULT – DREAMTIME LIVE AT THE LYCEUM (1984)

 

 

 

Gravado em Londres, no dia 20/05/1984, no Lyceum Ballroom, foi entregue juntamente com as primeiras 30.000 cópias do disco Dreamtime, contendo nove faixas, para promover o vídeo homônimo lançado na mesma época e raro até os dias atuais. Remasterizado em 1996 foi relançado contendo a versão completa do show, com 15 faixas baseadas nos três primeiros trabalhos do grupo, Southern Death Cult, Death Cult e Dreamtime, já como The Cult. A apresentação conta com a primeira e clássica formação da banda: Ian Astbury vocais, Billy Duffy guitarras, Jamie Stewart baixo e Nigel Preston bateria, este falecido em 1992, vitima de overdose, aos 31 anos de idade, sendo para mim o melhor baterista que já tocou no The Cult. Um álbum que, juntamente com os trabalhos anteriormente citados, não foi e não é muito divulgado, mas trata-se de uma obra essencial e realmente muito boa na discografia da banda, registrando sua fase um tanto quanto mais gótica, com belos arranjos e muito bem executadas ao vivo. Partes dessa apresentação podem ser encontradas e apreciadas no Youtube. Recomendo! OUÇA NO VOLUME MÁXIMO!

 

Marcelo




Escrito por Marcelo às 22h33
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CRÔNICAS DE ENCARNA - OS DIAS EM QUE TIVE PNEUMONIA

 

É engraçado como às vezes nos sentimos sozinhos mesmo estando entre outras pessoas. E justamente quando me sentia assim adquiri uma pneumonia. Foram dias difíceis, alias, estão sendo, já que não estou totalmente curado. No ponto mais alto da maldita infecção tive três crises de insuficiência respiratória e sinceramente numa delas achei que não voltaria mais a respirar e consequentemente passaria desta para melhor. A sensação é horrível, uma tremenda impotência diante do fato de parecer ter chegado o momento. Senti um medo muito grande, mas ao mesmo tempo muito breve. Logicamente que não quero morrer, ninguém quer, porém esta segunda pior experiência que tive na vida, com relação à saúde, me fez pensar: eu poderia aqui dissertar sobre como é bom estar vivo, que devemos procurar sempre o bem, que a vida é maravilhosa e afins, mas vou fazer justamente o contrário, já que é o que sinto neste momento. É bom estar vivo, respirar, vencer os dias, contudo a vida é cheia de hipocrisia, de pessoas vazias, de falsidade e traição. Porque nós já nascemos condenados a não ter aquilo que realmente gostaríamos de ter? Porque temos que nos contentar com as migalhas que a vida nos proporciona? Como diz Al Pacino em “O advogado do Diabo”: olhe, não toque, prove, não coma, deseje, não tenha, ou mais ou menos isso! Tão fácil ser ou estar feliz quando se tem aquilo que em minha opinião é o mínimo para se viver: respeito e realizações. Somos obrigados a conviver com pessoas que não gostamos, até sorrir para determinados filhos da puta e em troca de quê? Somente para vivermos em sociedade e sermos bons vizinhos? Aquela gostosinha que você conhece não vai te dar, mas com certeza quer que você faça milhares de favores para ela, aproveitando-se de suas belas ancas, o encarregado do seu setor quer fazer festinha de confraternização no final do ano, porém passa o ano todo querendo te foder, e assim por diante. É...a falta de ar me fez sentir ainda mais ojeriza das coisa que no dia-a-dia tenho que suportar e no final do dia ainda agradecer...será?

 

Altruísta, complacente, samaritano, tão gente....acumulando raiva e rancor.

 

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h33
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




DISCOTECA BÁSICA – ALCEU VALENÇA – ANJO AVESSO (1983)

 

 

É sempre uma satisfação relembrar o momento em que passei definitivamente a perceber e ouvir a boa música popular brasileira. Como comentei em minha primeira “discoteca básica” havia três discos que foram marcantes para mim. Esse se trata do terceiro. Quando comecei a prestar atenção em “Anunciação” algo diferente na época aconteceu comigo. Hoje fico realmente feliz em ter enveredado por este caminho tão espetacular que a musica brasileira proporciona. Trago comigo sempre um carinho especial por Alceu Valença, porque a partir dele, realmente, abri minha mente e minha história para músicas geniais de Chico, Caetano, Gil, Belchior, Zé Geraldo, Gonzaguinha, Geraldo Azevedo, Novos Baianos entre tantos e tantos outros. Por tornar-me colecionador de sua discografia, sei que Alceu possui obras bem mais representativas que este disco – seus primeiros são simplesmente sensacionais – mas este em especial foi muito marcante. Recomendo! Pernambucano arretado!

 

 

Músicas: Marim dos Caetés – Anunciação – Rouge Carmim – Balança Coreto – Escorregando no Pífano – Filhos da Fonte – Batendo Tambor – Trovoada – Anjo Avesso

 

 

ALCEU VALENÇA – ANJO AVESSO: OUÇA NO VOLUME MÁXIMO!

 

Té mais...

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h32
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




RESPOSTA AO PERGUNTE AO FÃ

 

 

Esta foi realmente uma tarefa bastante complicada, já que para mim a grande maioria da coleção do Iron Maiden soa como uma grande compilação de sucessos. Optei por colocar no suposto último e único álbum da banda aquilo que nesses anos todos sempre marcou boa parte, senão todas as vezes que ouvi Maiden, me parecendo óbvio que estes clássicos sintetizam bem tudo que essa grande banda realizou em sua carreira.  O Disco: Enjoy it!

 

 

Track list:

 

RUNNING FREE

CHILDREN OF THE DAMNED

HALLOWED BE THY NAME

WHERE EAGLES DARE

DIE WITH YOUR BOOTS ON

FLASH OF THE BLADE

POWERSLAVE

RIME OF THE ANCIENT MARINER

THE EVIL THAT MAN DO

BLOOD BROTHERS

 

Up the Irons!

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h31
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




“TÁ ROLANDO”    NO MEU MP3

 

 

CORDEL DO FOGO ENCANTADO - CORDEL DO FOGO ENCANTADO (2002)

Banda pernambucana de qualidade que faz músicas com influências de tradições locais, como a leitura de cordel, por exemplo.

Destaques: OS ÓIM DO MEU AMOR e CHOVER

   

 

WISHBONE ASH – WISHBONE FOUR (1973)

Grupo dos anos 70 que flerta com o rock e o rock progressivo. Não deve ser comparada aos maiorais do gênero, mas é muito boa.

Destaques: SOUREL e BALLAD OF THE BEACON

  

 

TRAPEZE – YOU ARE THE MUSIC (1972)

Este eu gravei para conhecer. Nunca tinha ouvido, apesar dos músicos que tocam na banda. Está em estudo.

   

 

MADONNA – HARD CANDY (2008)

Desde o maravilhoso Ray of Light eu não tinha mais ouvido Madonna. Este não chega perto do citado, está moderninho demais.

Destaque: THE DEVIL WOULDNT RECOGNIZE YOU

 

SURPRESOS? Não fiquem, o MP3 também está recheado com os velhos clássicos...  (Marcelo)



Escrito por Marcelo às 22h31
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TEMPLOS DA BOLA - (Edição nº 2): ESTÁDIO DR. OSWALDO TEIXEIRA DUARTE – CANINDÉ

 

 

 

 

 

Em 1956 a Portuguesa adquiriu do São Paulo Futebol Clube o terreno do Canindé. Para que pudessem ser realizados jogos, foram construídos um alambrado, um campo oficial e uma arquibancada de madeira, e estando às margens do rio, o estádio recebeu o apelido de “Ilha da Madeira”

   

 

 Foto por volta de 1956: É possível observar as águas do Rio Tietê ao redor da “Ilha”

 

 

O Canindé atualmente chama-se Estádio Dr. Oswaldo Teixeira Duarte. Antes se chamava Estádio Independência, a mudança ocorreu em 1984.

 

A maior goleada da Lusa no Canindé aconteceu em 04/03/1997 na Copa do Brasil: Lusa 8 x 0 Kaboré de Tocantins.

 

A inauguração aconteceu em 11/01/1956, numa partida entre Portuguesa e um combinado Palmeiras-São Paulo. Placar: 3 a 2 para a Lusa, de virada.

 

Na gestão do presidente que dá nome ao estádio (1972) foi inaugurado o primeiro anel, com capacidade para 10 mil pessoas. Para isso aconteceu um jogo amistoso, no qual a Lusa perdeu para o Sport Lisboa Benfica, de Portugal, por 3 a 1. Em 1973 iniciaram-se as obras do segundo anel, destinado às cadeiras numeradas e imprensa.

 

Os refletores foram inaugurados em 11/01/1981, com a realização do Torneio dos Refletores, com parceria do Banco Itaú. O torneio contou com a participação de Corinthias, Fluminense e Sporting. Na final a Portuguesa venceu o Sporting por 2 a 0 (15/01/1981).

 

Capacidade: 27.500 torcedores. Recorde de público: 8/12/1988, na partida entre Portuguesa e Flamengo pelo Brasileiro – 19.633 pagantes.

 

Tempos atrás tive a oportunidade de circular livremente dentro das dependências do Canindé, durante a realização de um festival gospel em que fui convidado. Posso garantir que o estádio é muito aconchegante, pena estar tão maltratado, aliás, como todos os outros pelo Brasil afora.

 

Até o próximo!

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h30
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




ENCONTRO DE REIS!

 

 

 

 

 

King Elvis

 

 

 

 

 

Rei Roberto

 

 

 

 

 

Rei do Baião



Escrito por Marcelo às 22h30
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




“CRÔNICAS DE ENCARNA”

 

 

Esta semana, enquanto esperava condução para retornar à minha casa, fui abordado por uma candidata a vereadora da cidade onde moro. Confesso a vocês que por aqui a poluição visual e sonora tem aumentado muito, mas dessa candidata em especial eu não tinha ouvido falar. Tal mulher se aproximou e me disse ser líder comunitária, não falou de qual região, e fez um discurso breve, do qual não vou me lembrar agora, mas no sentido de que eu poderia votar nela, vejam bem, esse poderia soou como se ela estivesse me autorizando a agir assim. Trágica situação. Sou funcionário público e para conseguir tal função tive que me submeter a uma prova, um concurso público, e cumprir as exigências feitas para a admissão.

O que muito me espanta é que nossos ilustres vereadores, deputados, prefeitos, governadores, etc., investem em seus respectivos cargos públicos sem nenhuma exigência, sem nenhum preparo. Quando procuramos um médico, o mínimo que esperamos é que ele tenha feito medicina, assim como um mecânico tenha estudado mecânica e assim por diante. A grande maioria dos candidatos, principalmente em cidades do interior, mal sabem falar, mal sabem escrever, mal sabem se comunicar. Como podemos entregar a fiscalização, a verba pública, as leis, entre outras coisas nas mãos de pessoas completamente despreparadas? Passem alguns minutos na frente da televisão durante o horário político e vejam “as figuras” que aparecem pedindo voto. O discurso é sempre o mesmo: “pela saúde, pela educação, pelo esporte, pelo...” Que raio de pelo é esse? O que significa pela saúde? Pela educação?

É triste ver que a chamada festa da democracia acaba se tornando um grande circo de horrores, com a participação de caras-de-pau como os Netinhos de Paula da vida, chorando, pedindo voto. O segredo está aí nessa última palavra: voto, nossa única arma para que, quem sabe um dia, esse circo possa ser desmontado e no lugar dele seja erguida uma sociedade senão mais rica pelo menos mais justa. Acho que não posso desacreditar que algo parecido com isto possa vir a acontecer um dia, afinal de contas minhas filhas, nossos filhos estão por aí! Viva aos que no passado lutaram pela democracia, pelo povo. Uma pena que no presente ela e nós sejamos cada vez mais desrespeitados!

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h30
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




MUSAS DO ENCARNA – LÍVIA ANDRADE

 

 

 

Nascida em 20/06/1983, Lívia Andrade surgiu para o grande público como assistente de palco de Sergio Mallandro

Tem como hobby praticar moto cross, andara à cavalo e cozinhar. Fomarda em Radio/TV (locutora) e atriz

Hoje, em minha opinião, não há na mídia mulher tão linda quanto ela. Sem dúvida minha número um!

 

Marcelo

(fonte de pesquisa e foto: site oficial)



Escrito por Marcelo às 22h30
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




ISSO É NORMAL? ... O AVESTRUZ DAS ÁGUAS

 

Olhem só a rotina alimentar de Michael Phelps (o feioso Tevez das piscinas)

 

 

O café-da-manhã do maior campeão olímpico de todos os tempos começa com dois copos de café e três sanduíches de ovos fritos recheados com queijo, tomates, cebolas fritas, alface e maionese. Pensa que acabou? Nada, tem ainda um omelete com cinco ovos, cereais, três pedaços de torradas com açúcar e três panquecas de chocolate.

O almoço é macarrão enriquecido e dois sanduíches de presunto e queijo com maionese em pão branco, acompanhados de bebidas energéticas. O energético volta no jantar, quando Phelps fecha o dia com uma pizza (inteira) e meio quilo de macarrão. Haja estômago!!! Nem avestruz bem criado come desse tanto todo dia.

 

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h29
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CINEMA E VÍDEO: ABRIL DESPEDAÇADO (2001)

 

Com a retomada do cinema nacional, a partir do filme Central do Brasil, nossos cineastas e atores conseguiram produzir belas obras, mesmo sem o apoio de maiores patrocinadores e com todas as dificuldades que nós brasileiros enfrentamos na realização de qualquer projeto. Tenho o hábito, e considero um bom hábito, de assistir todas as produções nacionais possíveis, e não tem sido uma missão fácil, já que as locadoras infelizmente não comercializam uma grande quantidade de títulos desse gênero. Dentre todos que já assisti, sem a menor dúvida indico aos apreciadores ou pelo menos curiosos a respeito de nossos filmes, ABRIL DESPEDAÇADO, que considero um dos clássicos de nosso cinema. Dirigido por Walter Salles, contou com a participação de atores profissionais e não-profissionais, assim como aconteceu em Cidade de Deus. Vale a pena conferir! (Marcelo)

 

 

SINOPSE: Abril 1910 - Na geografia desértica do sertão brasileiro, uma camisa manchada de sangue balança com o vento. Tonho (Rodrigo Santoro), filho do meio da família Breves, é impelido pelo pai a vingar a morte do seu irmão mais velho, vítima de uma luta ancestral entre famílias pela posse da terra.

Se cumprir sua missão, Tonho sabe que sua vida ficará partida em dois : os 20 anos que ele já viveu, e o pouco tempo que lhe restará para viver. Ele será então perseguido por um membro da família rival, como dita o código da vingança da região. Angustiado pela perspectiva da morte e instigado pelo seu irmão menor, Pacu, Tonho começa a questionar a lógica da violência e da tradição. É quando dois artistas de um pequeno circo itinerante cruzam o seu caminho...



Escrito por Marcelo às 22h29
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




SÓ PRA DESCONTRAIR...

 

 

Como sabem sou apaixonado por desenhos e nas minhas “andanças” pela internet sempre gosto de procurar figuras interessantes. De vez em quando vou postar aqui algumas que me chamarem a atenção, começando por uma série de caricaturas. Seguem as duas primeiras:

 

 

Cássia Eller: o sorriso no desenho está bem verdadeiro, como ela realmente gostava de sorrir!

 

 

Amy: Essa realmente é malucona, sem palavras!

 

 

 

Um abraço!

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h29
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TEMPLOS DA BOLA - (Edição nº 1)

Por ser admirador de futebol e não só torcedor do meu clube do coração, resolvi utilizar este nosso espaço para escrever um pouco sobre alguns fatos ou curiosidades que aconteceram ou acontecem em nossos estádios brasileiros. Torna-se até uma ironia que num País onde seu povo trata o futebol quase que como uma religião, os estádios serem tão precários e mal-tratados. Mas fica aqui uma homenagem a esses templos onde a história se faz. E inicio esta minha despretensiosa tarefa falando um pouco sobre:

ESTÁDIO CONDE RODOLFO CRESPI pertencente ao Clube Atlético Juventus, conhecido popularmente pela sua localização na Mooca em São Paulo como Estádio da Rua Javari ou Rua Javari. Inugurado em 11/11/1929, possui capacidade oficial para 7.000 pessoas.

Fatos interessantes:

Pelé afirma que seu gol mais bonito foi marcado neste estádio em um jogo do Campeonato Paulista realizado em 2 de Agosto de 1959 contra o Juventus. Como não existe nenhuma filmagem deste feito, Pelé pediu e o mesmo foi recriado em computador para o documentário Pelé Eterno. Há um busto no estádio em sua homenagem.

O estádio Conde Rodolfo Crespi já registrou a presença de 9.100 torcedores (Juventus x Santos em 1981). Além das arquibancadas atuais, havia uma parte de madeira, que foi desmontada há vários anos, por determinações da CBF e FPF, reduzindo, a capacidade do estádio.

 

O estádio já foi cenário de filmes brasileiros, novelas e casos especiais, como vários capítulos da novela “Salomé” e um episódio do programa “Você Decide”. Em maio de 1997, o estádio foi locado para a realização de tomadas para o filme “Boleiros”. Jogadores juniores do Juventus foram contratados para atuar como figurantes em várias situações de jogo.

 

Além do campo de futebol, nos 15 mil metros quadrados de área, há na Rua Javari, uma lanchonete, estacionamento para 30 automóveis, 14 quartos, cozinha, refeitório, sala de tevê, uma quadra de futsal, secretaria do departamento de futebol, uma área reservada para imprensa e um local especial para deficientes físicos com banheiro privativo.

 

 

Até o próximo!

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h28
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CRAQUE DA BOLA: ROGÉRIO CENI

 

Rogério Mücke Ceni nasceu em 22/01/1973 na cidade Pato Branco – PR. Atuou pelo Sinop Futebol Clube do Mato Grosso, único time além do glorioso São Paulo Futebol Clube, time em que passou a atuar desde 1990, como reserva de Zetti e fazendo parte das conquistas da “Era Telê”. Nas categorias de base atuou pelo “expressinho” do São Paulo, responsável pelo titulo da Conmebol do ano de 1994. Para nós torcedores são-paulinos é sem dúvida um ícone da história do clube, por todos os titulos conquistados, recordes alcançados e também pelo fato de somente ter jogado, após ter se firmado como titular e chegado à seleção, no São Paulo, algo raro principalmente nos dias atuais em que o futebol perde grande parte do seu brilho graças aos negócios e negociatas que o envolvem. Rogério Ceni pode não ter nascido são-paulino, mas é público e notório sua identificação e seu amor por esse clube nos dais de hoje e, com certeza, ele faz parte da galeria dos grandes jogadores que marcaram e marcam sua passagem por esse esporte tão envolvente, não importanto sequer o clube onde atuaram ou atuam. (Marcelo)

 

CURIOSIDADES

 

Rogério balançou as redes tanto de seu ex-companheiro no São Paulo, Zetti, em 1998, quando este jogava no Santos, e de seu atual reserva Bosco, quando este estava na Portuguesa, em 2002.

Foi indicado ao prêmio Bola de Ouro, da revista France Football, em 2007, sendo o único jogador atuando na América do Sul, mas acabou ficando em um vigésimo sétimo lugar



Escrito por Marcelo às 22h28
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




MAIOR GOLEIRO ARTILHEIRO DA HISTÓRIA

 

Total de gols: 84

Gols de falta: 47

Gols de pênalti: 35

Gols em amistosos (não-oficiais): 2 (ambos de falta)

Dados atualizados até 3 de agosto de 2008.

PRÊMIOS


Ø       2007 - Melhor goleiro do Campeonato Brasileiro

Ø       2007 - Rei da Bola do Brasileirão

Ø       2007 - Craque da Torcida

Ø       2007 - Bola de Prata (Placar)

Ø       2006 - Melhor jogador do Campeonato Brasileiro

Ø       2006 - Melhor goleiro do Campeonato Brasileiro

Ø       2006 - Bola de Prata (Placar)

Ø       2005 - Melhor jogador do Mundial de Clubes da FIFA

Ø       2005 - Melhor jogador da final do Mundial de Clubes da FIFA

Ø       2004 - Bola de Prata (Placar)

Ø       2003 - Bola de Prata (Placar)

Ø       2000 - Bola de Prata (Placar)



Escrito por Marcelo às 22h27
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TÍTULOS

Sinop

  • 1990 - Campeonato Matogrossense

São Paulo Futebol Clube

  • 2007 - Campeonato Brasileiro
  • 2006 - Campeonato Brasileiro
  • 2005 - Mundial de Clubes FIFA
  • 2005 - Copa Libertadores da América
  • 2005 - Campeonato Paulista
  • 2001 - Torneio Rio-São Paulo
  • 2000 - Campeonato Paulista
  • 1999 - Copa Euro América
  • 1998 - Campeonato Paulista
  • 1996 - Copa dos Campeões Mundiais
  • 1995 - Copa dos Campeões Mundiais
  • 1994 - Copa Conmebol
  • 1993 - Mundial Interclubes
  • 1993 - Supercopa da Libertadores da América
  • 1993 - Recopa Sul-Americana
  • 1993 - Troféu Cidade de Santiago de Compostela
  • 1993 - Taça Libertadores da América
  • 1993 - Campeonato Paulista - Categoria Aspirante
  • 1993 - Copa São Paulo - Categoria Junior
  • 1990 - Campeonato Paulista - Categoria Juvenil

Seleção Brasileira

  • 2002 - Copa do Mundo
  • 1997 - Copa das Confederações

TODOS TEM GOLEIROS, NÓS TEMOS ROGÉRIO CENI!!

 

Pesquisa para curiosidade, prêmios e títulos: Wikipédia



Escrito por Marcelo às 22h27
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




DISCOTECA BÁSICA – LEGIÃO URBANA – LEGIÃO URBANA (1985)

  

Disco lançado em 1985 e assim como Stand Up do Jethro teve grande impacto na minha história. Esse período da década foi marcado pelo grande boom do metal e, como não poderia ser diferente, era minha grande paixão. Quando em 1984, numa rádio, que nem tenho mais certeza qual,  conheci algumas faixas desse disco fiquei extasiado, mesmo porque na minha opinião a geração dos anos 80 do rock nacional foi quem realmente escreveu sobre sentimentos juvenis, revoltou-se contra o sistema e tudo mais, mas com conteúdo nas letras, com belas poesias e poemas, tiveram atitudes de verdadeiros rockstars, ou seja, tudo que viamos e ouviamos em bandas “de fora” começava a acontecer no Brasil, vejam bem – na minha opinião. E a Legião Urbana até hoje considero como a banda número um dessa geração, não são tão bons instrumentistas como os Paralamas, nem tão visceráis como os Titãs, nem tão ligados ao punk como a Plebe Rude só para citar alguns exemplos, mas acho que a Legião consegue sintetizar um pouco de tudo isso, principalmente nesse primeiro álbum. Até hoje quando ouço os primeiros acordes de Será, todos aqueles sentimentos juvenis vem à tona, a emoção sem dúvida alguma permaneçe a mesma. Trabalho que abriu a porta do rock nacional na minha mente. Urbana Legio Omnia Vincit! e Viva o Rock Nacional de qualidade!

Faixas:

Será                                                                              
A Dança
Petróleo do Futuro                                                     
Ainda É Cedo
Perdidos no Espaço
Geração Coca-Cola                                                  
O Reggae
Baader-Meinhof Blues
Soldados
Teorema
Por Enquanto                                                             

Curiosidades:

Este álbum entrou na lista da revista especializada Rolling Stone entre Os 100 maiores discos da música brasileira chegando a posição #40.

"Por Enquanto" viria a ser eleita pelo crítico musical Arthur Dapieve como uma das melhores faixas de encerramento de um disco da história.

O título da canção "Baader-Meinhof Blues" faz referência a uma extinta organização terrorista alemã, a Baader-Meinhof.

Os desenhos do encarte foram feitos pelo baterista da banda, Marcelo Bonfá.

 

OUÇA NO VOLUME MÁXIMO!

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h26
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




ARTWORK DE PRIMEIRA – SAXON – CRUSADER (1984)

 

 

 

 

 

 

 Confesso a todos que já não ouço mais Saxon como antigamente, mas respeito essa banda e essa capa em especial considero uma verdadeira obra de arte. Não bastasse a banda ser clássica entre determinadas vertentes de roqueiros, eles apresentem seu sétimo disco com esta maravilhosa pintura (óleo de Paul Gregory) que, com certeza, chama a atenção e desperta curiosidade a respeito de seu conteúdo para aqueles que não conhecem o grupo e muito bem relacionada com as origens inglesas dos membros da banda. Obra de arte!

 

 

Marcelo



Escrito por Marcelo às 22h26
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




BELOS INSTRUMENTOS QUE FALAM POR SI SÓ

 

 

 

UMA PEQUENA HOMENAGEM A MÚSICOS E INSTRUMENTOS QUE “FAZEM NOSSA CABEÇA” HÁ MUITOS ANOS!!!

 

 

 

 

Uma das minhas preferidas: a “Frankenstrat” de Eddie Van Halen

 

 

 

 

 

O baixo daquele rapaz que fazia parte daquela banda de Liverpool. Não precisa nem dizer não é? Os maiorais!

 

 

 

 

 

Essa trabalha! E muito: Angus Young – AC/DC.

 

 

 

 

 

O carinho que Stevie Ray Vaughan sentia por essa guitarra está demonstrado em seu desgaste. Blues-Rock de primeira.

 

 

 

 

 

Um dos instrumentos que mais marcaram época. Inconfundível baixo de Gene Simmons do KISS.

 

 

 

 

 

As flautas do genial Ian Anderson – Jethro Tull. Melodias maravilhosas!!!

 

 

 

 

 

 

 

As minhas prediletas: set de Jimmy Page do gigante Led Zeppelin



Escrito por Marcelo às 22h25
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




“ARTWORK DE PRIMEIRA”

 

Minha intenção com este espaço é comentarmos capas de álbuns realmente significativas no ponto de vista de cada um, levando em consideração sua beleza e não o conteúdo do disco ou banda, cantor, etc., não importando sequer o estilo musical.

Segue a minha primeira:

 

Black Sabbath – Black Sabbath 1970

 

 

 

O que me impressiona nesta capa é sua interação com o disco. O som deste álbum nos remete para um local muito parecido com o expressado na capa. Outra coisa que me chama atenção é que ao olharmos para a “velha senhora”, principalmente no vinil, parece realmente que ela está a nos olhar também. Uma bela capa para um disco que “segundo a lenda” foi gravado em uma semana e lançado em mais ou menos um mês. O Sabbath acertou em cheio na escolha de sua apresentação para o mundo.



Escrito por Marcelo às 22h24
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




DISCOTECA BÁSICA: JETHRO TULL – STAND UP

 

Um pouco da história do disco: Álbum lançado em 1969, com a formação clássica do Jethro – Ian Anderson, Martin Barre, Clive Bunker e Glenn Cornick, voz, guitarra, bateria e baixo, respectivamente, foi o primeiro álbum da banda em que Anderson está totalmente no controle de músicas e letras, com influencias de música folk e clássica. Os arranjos de cordas foram conduzidos por David Palmer. Uma obra clássica na carreira do Jethro, com um repertório bem elaborado e arranjado, há até uma reconstrução do clássico Bourée do J.S.Bach e a belíssima balada We used to Know. O álbum ganhou, em 1969, prêmio da revista New Musical Express como melhor capa daquele ano.

As músicas são:

01. A New Day Yesterday

02. Jeffrey Goes To Leicester Square

03. Bourée

04. Back To The Family

05. Look Into The Sun Nothing Is Easy

06. Fat Man

07. We Used To Know

08. Reasons For Waiting

09. For A Thousand Mothers

 

 

Um pouco da história deste disco em minha vida: Meu primeiro contato com Stand Up foi por volta de 1986, época em que eu ouvia mais músicas pesadas, fase em que o Heavy Metal estava em alta. Porém gravei em um uma fita K-7 este disco juntamente com o álbum Aqualung, também do Jethro, o que foi realmente importante na minha atual formação de gosto pela música, já que Stand Up apresentava influências até de música clássica, o que me fez perceber que havia centenas de caminhos dentro da música a serem desvendados. Classifico Stand Up como parte da tríade de LP’S que mudaram a minha história (os outros dois futuramente comentarei), já que a partir daí nunca perdi o gosto por música pesada (Up the Irons!) mas aprendi e entendi vários outros estilos musicais que, com certeza, são importantíssimos para quem aprecia boa música e belas melodias.

 

JETHRO TULL – STAND UP: OUÇA NO VOLUME MÁXIMO!



Escrito por Marcelo às 22h24
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
Outros sites
  UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
Votação
  Dê uma nota para meu blog